23 de novembro de 2012

[Filme] 007 - Operação Skyfall

Título original: Skyfall
Duração: 143 minutos
Direção: Sam Mendes 
Roteiro: Neal Purvis, Robert Wade, John Logan
Distribuidora: Columbia Pictures
Ano: 2012

Comentários: 

Mesmo sendo fã da franquia 007, sou vergonhosamente (e assumidamente) ignorante em relação à grande parte do seu universo e particularidades. Contudo, mesmo não tendo assistido a todos os filmes, é inegável que 007 - Operação Skyfall é uma grande homenagem aos 50 anos da estreia do personagem no cinema.

E por onde começar?

O enredo é impecável. Nada das mirabolantes estratégias de dominação mundial. O que temos neste filme é um plot que prima pelo lado pessoal do agente secreto que é seriamente afetado.

Após o roubo de uma lista com os seus agentes secretos, o MI6 se vê diante de uma ameaça enorme que busca desestruturá-lo por dentro. James Bond é tido como morto, mas ressurge de sua "aposentadoria" ao perceber que M (a excelentíssima Judi Dench) precisa dele mais do que nunca, quando até mesmo o seu cargo como chefe do Serviço Secreto Britânico está ameaçado. O filme é uma sucessão de cenas em que novo e velho se confrontam, conforme vemos um James Bond mais amadurecido em relação aos filmes anteriores protagonizados por Daniel Craig, mas sempre trazendo algo novo para a série. Por ser um plot mais intimista, sabemos um pouco mais sobre a vida e o passado do agente secreto, o que é sempre algo ótimo de se ver.

Mas dois personagens merecem destaque. O vilão de Javier Bardem é assustador, sem mais. Por ter motivos pessoais para fazer o que faz, é interessante notar como ele é o contraponto do próprio Bond - mas sem deixar de ter aquele toque clássico de uma certa bizarrice que todo vilão enfrentado por 007 parece carregar. É uma afetação desconcertante, porque é meio difícil prever o que virá disso. E a divina Judi Dench com sua M impecável que rouba a cena sempre que aparece, dando profundidade à personagem de um modo maravilhoso. Excelente.

Houve pouco que me incomodasse no filme, e não posso dizer que fiquei bem decepcionada com a suposta Bond Girl do filme. Sévérine (Bérénice Marlohe) foi tão mal aproveitada, que no final das contas mal entendi a função dela na história além de levar Bond até o vilão. Pisquei e a personagem se foi. Pra mim, a Bond Girl do filme foi outra (não, não é a Eve interpretada por Naomi Harris). Acho meio difícil encontrar uma Bond Girl (dos filmes mais recentes) que supere a Vesper Lynd de Eva Green (Cassino Royale) no meu coração.

No geral, o filme é excelente. Fotografia maravilhosa, pensada com muito cuidado e maestria. E sempre rolava uma lagrimazinha quando surgia o tema Skyfall (Adele) durante o filme, ou quando em momentos-chave tinha-se o famoso tema do 007. Infinitamente melhor que o seu antecessor (Quantum of Solace), mas acho que ainda está quase equivalente a Cassino Royale.

Extremamente recomendado!

0 comentários:

Postar um comentário