25 de janeiro de 2013

Hex Hall – Rachel Hawkins


Livro: Hex Hall
Titulo Original: Hex Hall
Autor: Rachel Hawkins
Editora: Galera Record
Ano: 2011
Avaliação: 3,5/5
Sinopse:
Há 3 anos, Sophie descobriu que não é uma menina como as outras. Ela é uma bruxa e, até agora, isso só lhe trouxe alguns... arranhões! Sua mãe fez tudo o que pôde para ajudar: leu o que conseguiu encontrar sobre bruxas, fadas e magia; procurando consultar o pai ausente de Sophie — um poderoso feiticeiro europeu — só quando necessário. Até que a menina atrai atenção além da conta depois de um feitiço de amor poderoso demais... E é seu pai que define a sentença: Sophie deve ir para Hex Hall, um reformatório afastado de tudo e de todos que está sempre de portas abertas para receber qualquer “prodígio” que saia da linha — ou seja, além de bruxas como Sophie, fadas, metamorfos etc. E a tendência de Sophie para encrencas não decepciona. Já no fim do primeiro dia, ela acumula problemas: três poderosas inimigas que mais parecem supermodelos, uma fantasma que cisma em persegui-la, uma paixonite idiota pelo feiticeiro mais charmoso da escola — e ele tem namorada, mas como Sophie poderia saber? Para piorar, sua companheira de quarto é a pessoa mais odiada do campus, e a única vampira entre os alunos... Sim, os sanguessugas não têm boa fama, e uma série de ataques a estudantes acaba fazendo da única amiga de Sophie a suspeita número um na mira do Conselho e da direção da escola. Isso não é tudo, e Sophie precisa se preparar. Uma antiga sociedade secreta determinada a destruir todos os prodígios, inclusive e principalmente ela, parece estar mais próxima do que nunca de Hex Hall. Sophie terá de descobrir, do que sua magia é capaz e, sobretudo, suas origens e quem ela é de verdade.

Comentários: 
Um YA com uma temática diferente (bruxas) que tem uma narrativa que parece conduzir o leitor pela mão capítulo a capítulo, e por mais que a história não possua grande profundidade é em sua leveza que ela ganha quem está lendo. 
O livro conta a história de Sophie uma adolescente de 16 anos que possui alguns problemas normais, os pais são separados, ela vive se mudando e mal conhece seu pai mais o grande diferencial nesse padrão é que ela é uma bruxa que tenta conviver no mundo normal, mas após um pequeno acidente acaba sendo mandada para Hecate Hall (mais conhecido como Hex Hall), um internato para Prodígios, seres mágicos como fadas, metamorfos e bruxas. Nesse internato Sophie além de ter que escapar de várias situações, lidar com novos sentimentos, descobrir que seres mágicos possuem inimigos, ela ainda terá que se descobrir para saber mais sobre quem ela é. 
A narrativa de Rachel Hawkins segue o padrão das histórias fantásticas que envolvem adolescentes colegiais, mas a trama é tão bem amarrada e bem trabalhada que o livro se torna envolvente. A mitologia criada pela autora não traz muitos conceitos diferentes dos já conhecidos em relação aos seres mágicos tratados, porém a ideia de uni-los em um ambiente escolar e dar enfoque a suas diferenças e como eles convivem juntos é o que dá corpo a narrativa. 
Quem narra a história é a própria Sophie (ponto de vista em primeira pessoa), um estilo que geralmente me desagrada mas a autora soube trabalhar a personagem e seus fluxos de consciência são leves e cheios de piadas e ironias mesmo quando se está no meio do drama adolescente. Os capítulos geralmente são finalizados com ganchos que mantém uma ótima fluidez na leitura
Os personagens são bem trabalhados, a autora desprendeu atenção tanto para os principais como para os secundários, assim o leitor consegue se prender a cada detalhe da história, o que acaba se mostrando importante no desenvolvimento da trama. 
O livro é bem escrito, leve e acaba prendendo o leitor sem que ele perceba. Uma ótima pedida para aqueles que gostam de YA com fantasia e querem se divertir com a leitura. 

Ps: O segundo livro desta série será lançado com a capa americana (que difere da capa lançada aqui no Brasil) mas para aqueles que gostam de manter um padrão a editora trará também o primeiro livro na capa americana


0 comentários:

Postar um comentário