20 de julho de 2014

[Filme] Psicose



Título original: Psycho.
Duração: 109 min.
Direção: Alfred Hitchcock.
Roteiro: Joseph Stefano.
Ano: 1960.
Avaliação: 5/5
Sinopse: Marion Crane é uma secretária (Janet Leigh) que rouba 40 mil dólares da imobiliária onde trabalha para se casar e começar uma nova vida. Durante a fuga à carro, ela enfrenta uma forte tempestade, erra o caminho e chega em um velho hotel. O estabelecimento é administrado por um sujeito atencioso chamado Norman Bates (Anthony Perkins), que nutre um forte respeito e temor por sua mãe. Marion decide passar a noite no local, sem saber o perigo que a cerca. (Fonte: Adoro Cinema)


Estava com Psicose aqui há muito muito tempo e só hoje resolvi assistir - sempre tive a certeza que iria gostar. E não me enganei. Clássicos são clássicos por um motivo. Já sabia em essência todo o enredo do filme, até mesmo a grande revelação no seu clímax, mas ainda assim a construção toda do suspense é o que torna o filme um clássico.

Desde o começo dá para notar que há algo de estranho e perturbador em Norman Bates e no seu relacionamento com a mãe; todavia, é a condução da narrativa o que há de interessante no filme, além da tensão criada pela trilha sonora.

O filme é inspirado no romance homônimo de Robert Bloch, que por sua vez se inspirou nos crimes de Ed Gein. Ou seja, saber que talvez tudo tenha um fundo de verdade torna a história toda ainda mais fascinante. E de causar arrepios. A famosa cena no chuveiro é icônica e com toda a razão, dá uma agonia absurda assistir a tal cena.

O que achei fantástico no filme foi que ele te leva a acreditar em uma coisa, mas que acaba se provando completamente outra. E isso é legal mesmo que eu já conhecesse a história. Gosto muito desse tipo de coisa, em que a história em si acaba sendo o de menos, importando mesmo é como tudo é mostrado ao expectador. E convenhamos, a cena final, aquele último monólogo, é marcante e desconcertante ao extremo.

Agora vou ali, continuar vendo a série Bates Motel - porque não tive o suficiente dessa família problemática hoje.

1 comentários:

  1. Adorei essa coisa de te mostrar algo e ser completamente o oposto. Quero conferir esse filme, o nome é bem sugestivo.

    M&N | Desbrava(dores) de livros

    ResponderExcluir