24 de agosto de 2014

[Eventos] Relatos de uma bienal – Parte I



A Bienal de São Paulo é um dos eventos que mais me animo, me programo e aproveito cada instante, e na deste ano não poderia ser diferente. 
Eu tinha programado fazer um post por dia de bienal, mas por estar em um momento em que posso ter que sair do evento para trabalhar a qualquer momento decidi fazer em alguns blocos e contar o que vi e o que acho sobre está grande reunião literária. 
A Bienal começou no dia 22 e irá se estender até o dia 31, no Anhembi. 
No dia 22, última sexta-feira, fui rumo a bienal toda empolgada e com medo de não conseguir retirar minha credencial de profissional do setor, um receio que durou enormes segundos, tempo que demorou para conferir os documentos e me pegar a credencial. 

Já dentro do pavilhão posso dizer que o deslumbramento foi o mesmo, por mais que desde pequena acompanhe a bienal não consigo deixar de parecer uma criança na fábrica Wonka toda vez que entro na bienal, os stands, as editoras, a oportunidade de rever e conhecer pessoas novas, tudo no ambiente literário, é algo que me encanta cada vez mais. 
Posso dizer que a sexta é um dia de “reconhecimento de território”, o pavilhão está vazio então é possível andar, ver os stands, aproveitar as promoções tranquilamente, não tem fila, a praça de alimentação está vazia, resumindo, quase um paraíso rs. Neste primeiro dia pude me localizar bem, passear pelos stands, conversar com amigos e começar as compras, mesmo tendo que sair por um tempo (o trabalho chama) voltei no fim da tarde e consegui aproveitar bastante. 

Agora o segundo dia de bienal foi um contra ponto ao meu sonho de perfeição;  por ser o primeiro fim de semana, contar com muitos autores internacionais (Cassandra Clare, Kiera Cass, Harlan Coben entre outros) além de autores nacionais e várias atrações, somando a disponibilidade das pessoas no fim de semana tornaram a bienal um caos. 
Cheguei no Anhembi umas 9h30 para poder pegar a senha dos autógrafos do Harlan Coben e já tinha uma multidão na fila para entrar no pavilhão, na parte dos credenciados estava uma confusão só, depois do sufoco para conseguir entrar e ir para a fila na editora Arqueiro só consegui ficar admirada e assustada com a correria e a confusão que foram as pessoas tentando senhas para a Cassandra Clare; as senhas esgotaram em minutos o que gerou muita reclamação e pessoas alteradas. Mas o que realmente me incomodou neste sábado de bienal foi a falta de organização de uma maneira geral, o local estava incrível e absurdamente lotado, vi coisas que nunca tinha presenciado, stands com fila para entrar, filas maiores ainda para pagar, stands bloqueados e até mesmo fechados, era tanta gente que andar nos corredores era quase missão de sobrevivência (quem disse que brasileiro não gosta de ler não viu esse dia da bienal), era impossível ver os stands, complicado encontrar as pessoas, usar o celular, comer, enfim qualquer coisa. No fim acabei apenas pegando o autógrafo do Coben e mais nada, e ainda sai acabada. 

Por esses motivos decidi não ir neste domingo de bienal (apesar que alguns amigos me falaram que estava mais tranquilo que sábado, se alguém souber alguma coisa pode falar). 
Mas durante a semana continuarei indo até a bienal, e fazendo mais relatos para contar sobre esse evento que me fascina toda vez. 

Tenho que apenas fazer algumas observações: 
  • Vou reforçar as dicas que vi em vários lugares, vá vestido de forma confortável, sapatos apropriados para andar muito, uma mochila ou até mesmo uma mala (daquelas de rodinha) se pretende comprar muito, leve uma garrafa de água e se possível coisas para comer, pois os preços de alimento são hiperinflacionados. 
  • Há stands com preços bem legais de saldão, a Intrínseca está com promoções bem legais, a Companhia tem alguns livros com uns valores interessantes, assim com a Gutenberg e a Arqueiro (além dos stands de sebo, como a Livraria São Marcos e o Top Livros), mas recomendo que não comprem por impulso pois muitas editoras estão com seus preços bem parecidos com o que poderia ser conseguido fora da bienal. 
  • Leve o mapa ou tente pegar algum por lá no balcão de informação, pois a maior parte das pessoas não vai saber te informar caso fique perdido
  • O mesmo vale para a programação, prepare um cronograma pois é quase impossível descobrir o que irá acontecer quando chegar lá. 

E que venham mais dias de bienal (ah, e prometo tirar fotos melhores e mais completas) 

3 comentários:

  1. Receber um autógrafo dele já me bastava, não precisava de mais outras coisas não. Claro, com exceção de comprar livros que eu quereria kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Oi lindona, eu também fui nesse sábado e me arrependi muito passei muito mal pois estava muitos cheio, muita falta de organização fiquei muito triste.
    Beijos
    http://nomundodajale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Deve ser ótimo ir, e participar, creio que a única coisa de que não iria gostar é o tumultuo de gente, não gosto muito. Mas, até para ver grande quantidade de livros todos juntos, sei que é bom.

    ResponderExcluir