3 de maio de 2015

[Livro] A Guerra dos Fae: Chamado às Armas – Elle Casey



Sinopse:Chegou a hora da guerra no segundo volume da série "A Guerra dos Fae! Em Chamado às Armas", os Fae da luz são convocados a fazer uma importante mudança e treinar seus dons mágicos para enfrentar os Fae das Trevas. Jayne Sparks e seus amigos Spike, Chase, Finn e Becky estão na iminência de uma guerra sangrenta e devem sofrer uma mudança, como crianças trocadas, para serem membros dos Fae da Luz com identidades mágicas. Poderão se transformar em elfos, ninfas, daemons, íncubos, anões e duendes verdes, querendo ou não aceitar suas novas identidades, desapontando-se com elas ou não. Como será resolvida a questão entre os Fae da Luz e os Fae das Trevas? Serão Jayne e seu grupo de amigos capazes de dar conta de uma missão tão espinhosa? Muitas respostas a estas perguntas, e outras tantas que foram provocadas pelo primeiro volume da série, serão respondidas aos leitores. E surgirão novos e fascinantes enigmas. (Fonte: Skoob) 

Comentários:

Essa foi uma resenha que fiz para o blog Memories of the Angel que foi publicada no dia 8/07/2014

Ai ai, sabe quando um livro te ganha no primeiro volume da série, mas algo acontece em sua continuação que o encanto não é mais o mesmo, quando o segundo volume não corresponde muito à expectativa deixada no primeiro, foi isso o que aconteceu comigo ao ler Guerra dos Fae: Chamado às Armas.


A história vai continuar do ponto em que foi encerrada no livro anterior, após todos os amigos de Jayne souberem a verdade sobre os Fae e sobre quem eles são e o porquê de todos os testes na florestas, e tiveram que fazer sua escolha, ou se tornarem crianças trocadas ou voltarem a ser humanos, neste último caso sem a lembrança de tudo o que descobriram. Neste momento Jayne sofre um baque ao descobrir que seu melhor amigo Tony decide voltar a ser humano.

Toda a trama vai se desenvolver deste ponto, vemos Jayne tentando lidar com sua nova realidade, que ela é um fae e que uma guerra está se aproximando, ela tem que se adaptar a este ambiente novo e a ausência de Tony.

Aqui vou fazer a resenha um pouco diferente e dividir nas partes que me agradaram e as que não para não misturar opiniões.

Gostei muito da dinâmica entres os amigos de Jayne: Spike, Chase, Finn e Becky criam um laço maior que no primeiro livro, alguns aparecem mais que outros (Finn tem uma participação visivelmente menor) mas eles continuam um grupo bem unido, eles se aproximaram devido a tudo o que aconteceu na floresta, mas agora são verdadeiros amigos tentando entender essa nova realidade.

Foi muito bom poder ver um pouco do mundo fae, conforme Jayne vai apreendendo sobre essa raça o leitor também descobre algumas coisas também, foi bem divertido ver a interação dos fae e o complexo onde eles moram, descobrir um pouco sobre as diferentes raças e conhecer personagens novos.

Como no anterior, outro ponto positivo é que a autora encerra seus livros com grandes, enormes e aflitivos ganchos para a sequência, assim, por mais que esse livro tivesse alguns pontos que não me agradaram, eu ainda estou morrendo de curiosidade para saber o que irá acontecer.

Agora os pontos que não gostei:

Um deles foi que nesse livro a autora teria uma liberdade maior para explorar o mundo fae, explicar um pouco mais da história desses seres sobrenaturais, focar na interação entre as raças, falar mais sobre a divisão de luz e trevas, explicar mais sobre a guerra porém isso não acontece, posso dizer que 90% do livro é focado em Jayne e em seus dramas, os elementos que foram mais explicados eram aqueles que virariam uma “chave” em alguma ação futura, de resto ficou tudo muito superficial, ela está trabalhando com uma mitologia diferente, um universo novo, ela poderia ter se aventurado mais ao invés de focar nos chiliques (sim, isso mesmo) de Jayne.

E agora o ponto que mais me incomodou, Jayne, desde o primeiro livro a autora construiu a personagem para ser diferente das mocinhas tradicionais que protagonizam os romances sobrenaturais, Jayne não se acha um nada, ela tem uma boa autoestima, é desbocada e impulsiva. Porém neste volume senti que tudo passou um pouco do ponto, ao invés de ser como as mocinhas que sofrem de falsa modéstia Jayne é prepotente demais, suas brigas em muitas ocasiões ficaram parecendo chiliques de adolescentes revoltados e sua impulsividade beirava a falta de inteligência algumas vezes. Vou dizer que com tudo o que a garota passou no primeiro livro e com algumas coisas do segundo eu esperava um amadurecimento da personagem e isso não ocorre, ela quase tem os mesmos erros, briga várias vezes pelo mesmo motivo, que ninguém explica nada para ela, mas em pouquíssimos momentos ela se mostra madura para encarar a situação. Espero realmente que a personagem melhore com o passar da série.

Resumindo quero continuar a leitura de A Guerra dos Fae por sua mitologia, não por sua personagem principal.

Série Guerra dos Fae: 
Livro 2: A Guerra dos Fae – Chamado às Armas; 
Livro 3: War of the Fae – Luz e Trevas 
Livro 4: War of the Fae – New World Order. Um sopro de neve e cinzas (partes 1 e 2) 



Título Original: War of the Fae: call to armsAutor: Elle CaseyEditora: Geração JovemAno: 2014Número de páginas: 358Avaliação: 3/5 

4 comentários:

  1. Eu ADORO os livros dessa série, estou morrendo de vontade de ler o quarto...
    TALVEZ os pontos negativos deem uma diminuida no próximo livro, algumas das explicações e aprofundamentos que vc sentiu falta começam a aparecer no terceiro livro ;)
    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Paty, imagino que eles vão acabar explicando tudo durante os próximos livros, mas o que mais me cansou foi a protagonista, eita garota surtada rs. Bjsss

      Excluir
  2. Oi, Dani.
    Eu tenho vontade de ler essa série, de tão bem que a Pah fala!! rs...
    Se no mês que vem eu não tiver nada para pedir da Geração, vou começar a ler essa série!
    Beijos
    Camis - Blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha a Paty gosta mesmo dessa série, eu não estou curtindo muito, mas pede sim, vale a pena pela mitologia diferente. Bjsss

      Excluir