22 de junho de 2016

[Livro] A lista de Brett – Lori Nelson Spielman



E como esses clubes do livro estão me fazendo bem ao apresentar leituras cada vez melhores, e o livro do último encontro é um desses exemplos, com a leitura de A lista de Brett tive uma experiência prazerosa que me deixou refletindo por um tempo e gerou uma discussão bem legal entre uma roda de amigas. 

Neste livro vamos acompanhar um dos momentos mais tristes da vida de Brett, uma mulher que acabou de perder sua mãe, que tinha uma grande representação em sua vida, e no meio dessa tristeza sufocante ela ainda terá que lidar com algo totalmente inesperado: durante a leitura do testamento Brett descobre que sua mãe deixou uma condição para que ela possa receber sua herança – cumprir uma lista de desejos que ela escreveu quando tinha 14 anos e que possuía itens como se apaixonar, ter um filho e ter um cavalo (porque essas coisas são super fáceis de arranjar de uma hora para a outra). 

Durante a leitura vamos acompanhar Brett na busca por tentar cumprir todos os itens dessa lista e como isso ela irá repensar várias escolhas e opções que tomou até então, com uma vida um pouco mais favorável ela acabou presa em seu ponto de conforto, em escolhas que não a desafiavam e acabaram levando-a para um cotidiano morno e que não a satisfazia. Essa lista resgatada de sua adolescência a fará entrar em contato com a mulher que ela acabou enterrando  e esquecendo. 

No clube do livro essa obra conseguiu gerar vários debates interessantes, como a transformação de Brett, que apesar de em boa parte da história ser tão relutante em cumprir a lista, é com essa missão que ela irá lutar para sair do seu lugar comum. Outro ponto foram os personagens que a rodearam e que possuem personalidades bem marcantes e completam bem a história, afinal Andrew, Brad, Garret, e tantos outros, dão o toque e os contrapontos da história. 

A narrativa é bem envolvente e uma leitura muito prazerosa de se fazer, apesar de ter uma pequena implicância com alguns aspectos do livro (do tipo que Brett sempre parece cruzar com alguma coincidência na vida), adorei a história que acaba tocando o leitor pela reflexão dos rumos que escolhemos para a vida, sobre o conformismo com o lugar-comum e com a relação tão íntima, carinhosa e de cumplicidade de Brett com sua mãe, que permanece mesmo depois da morte. 

Um livro muito gostosinho, uma leitura rápida, leve (mas  não vazia) que pega o leitor e leva para pensar na vida, não com pesar, mas com uma pitada de reflexão. 

Sinopse:  Brett Bohlinger parece ter tudo na vida — um ótimo emprego como executiva de publicidade, um namorado lindo e um loft moderno e espaçoso. Até que sua adorada mãe morre e deixa no testamento uma ordem: para receber sua parte na gorda herança, Brett precisa completar a lista de sonhos que escreveu quando era uma ingênua adolescente.Deprimida e de luto, Brett não consegue entender a decisão de sua mãe — seus desejos adolescentes não têm nada a ver com suas ambições de agora, aos trinta e quatro anos. Alguns itens da lista exigiriam que ela reinventasse sua vida inteira. Outros parecem mesmo impossíveis.Com relutância, Brett embarca numa jornada emocionante em busca de seus sonhos de adolescência. E vai descobrir que, às vezes, os melhores presentes da vida se encontram nos lugares mais inesperados. (Fonte: Skoob). Título Original: The life list Autor: Lori Nelson Spielman Editora: Verus Ano: 2015 Número de páginas: 364  Avaliação: 4/5

6 comentários:

  1. Antes tarde do que nunca Dani e eu que ainda nem li o livro kkkk
    O livro parece ótimo e estou morrendo de montade de ler, mas e o tempo cadê?
    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hhahaha sempre antes tarde que nunca rs. Quando pintar um tempinho leia sim Paty, vale a pena. Bjsss

      Excluir
  2. Oi, Dani.
    Eu tenho muita vontade de ler esse livro, mas estou que nem a Pat: sem tempo!
    É uma pena, porque essa parece ser uma ótima leitura!
    beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem fala Camis, temos mais livros que queremos ler do que tempo para lê-los, mas quando tiver uma folguinha leia sim :) Bjss

      Excluir