29 de janeiro de 2013

[Série] Sherlock – Primeira Temporada




Título Original: Sherlock
Temporada: 1
Ano: 2010
Roteirista: Steven Moffat e Mark Gatiss
Emissora: BBC One
Avaliação: 5/5







Comentários:
Terminei de ver a temporada há poucos minutos e mal tenho palavras para descrever o quão bom e o quanto fiquei empolgada com essa série. 
A temporada possui apenas três episódios de uma hora e meia cada um e mesmo sendo um tanto quanto “compacta” o roteiro e o conteúdo são perfeitos. 
Como o título diz o tema é Sherlock Holmes, porém com uma ambientação atual, mostrando o detetive resolvendo os casos nos dias de hoje. 
Os personagens foram muito bem trabalhados e interpretados, Sherlock Holmes (interpretado por Benedict Cumberbatch) está simplesmente perfeito, o autor conseguiu passar todo o jeito tão característico do personagem, sua inquietação, sua incrível capacidade de dedução e até as falas rápidas quando ele está explicando um raciocínio. Watson (Martin Freeman) também está muito bem interpretado sendo o contraponto de Sherlock, sem contar que a interação da dupla ficou muito boa. 
A ambientação da série está seguindo a história original em seus detalhes, toda a trama se passa em Londres e claro que o tão famoso endereço 221B, Baker Street não foi esquecido. 
Como mencionei antes, a temporada possui poucos porém longos episódios, o que exige muito dos criadores em manter uma trama investigativa pelos extensos episódios e por outro lado expor e explorar os personagens ligando todos os pontos em tão poucos tempo total de série. E os roteiristas conseguiram fazer as duas coisas de forma primorosa, os personagens são profundos e suas características bem introduzidas e foram criados vários pontos que no último capítulo se ligam em uma rede que faz com que você queira ver a segunda temporada logo em seguida. 
Uma das melhores séries que vi. Mais que recomendado. 


27 de janeiro de 2013

[Campanha] Doe Vida Lendo Um Livro - Terceira Edição



Hoje venho falar de uma campanha muito importante, a Doe Vida Lendo um Livro, que em sua terceira edição tem por objetivo incentivar a doação de sangue para ajudar aqueles que precisam (lembrando que no período das férias os hemocentros têm seus números de doadores reduzidos, e a campanha vem para tentar alterar esse quadro). 
A campanha é realizada pela Vivi do blog Filmes, Livros & Séries e conta com o apoio dos blogs Sobre Livros e Memories of the Angel, além deste que vos fala. 
Para aqueles que quiserem participar basta comparecerem no dia 2 de fevereiro em qualquer hemocentro próximo e realizar a doação, mas aqueles que moram em São Paulo e quiserem participar junto a nós estaremos no Hemocentro da Irmandade Santa Casa de Misericórdia, Rua Marquês de Itu, nº 579, Bairro Vila Buarque (próximo à Estação Santa Cecília do Metrô), a partir das 10 da manhã.

Algumas informações: 

Pré-requisitos do doador:

  • Levar documento oficial de identidade com foto
  • Estar bem de saúde
  • Ter entre 16 e 65 anos. Menores de idade a partir de 16 anos somente com autorização dos pais 
  • Pesar no mínimo 50 Kg
  • Estar alimentado, evitando apenas alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação
  • Ter dormido por pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas
  • Não ter se exposto a situações de risco para doenças transmissíveis pelo sangue, como: Diversos parceiros sexuais, uso de drogas e relações sexuais com parceiros não habituais sem preservativo (camisinha).


Situações que inviabilizam a doação:

  • Febre
  • Ter sintomas de gripe ou resfriado até 1 semana antes da doação
  • Anemia
  • Gestantes, até 3 meses após parto normal, até 6 meses após parto cesariana, ou se estiver amamentando
  • Aborto impede a doação por 12 semanas
  • Doenças sexualmente transmissíveis somente após 12 meses da cura
  • Homem que tenha doado sangue há menos de 60 dias ou que tenha doador 4 vezes nos últimos 12 meses
  • Mulher que tenha doado sangue há menos de 90 dias ou que tenha doado até 3 vezes nos últimos 12 meses
  • Tatuagem nos últimos 12 meses
  • Tratamento dentário: Período variável de 1 à 7 dias
  • Cirurgia: Período variável de 2 a 6 meses
  • Uso de cocaína inalatória há menos de 1 ano
  • Ter recebido transfusão de sangue nos últimos 12 meses
  • Ter algum dos fatores de risco para AIDS e Hepatite, como por exemplo: relação sexual sem preservativo (camisinha) com parceiro não habitual a menos de 1 ano e pessoas que estiveram presas há menos de 1 ano
  • Alguns tipos de medicamentos e vacinas 
  • Não possuir piercing


Situações que impedem definitivamente a doação:

  • Doença renal crônica
  • Diabetes tipo I e tipo II com lesão vascular
  • Antecedentes de câncer
  • Antecedentes de derrame
  • Uso de drogas injetáveis
  • Alcoolismo Crônico
  • Doença de Chagas
  • Epilepsia após os 2 anos de idade
  • Hepatite após os 10 anos de idade.


Para aqueles que gostaram da campanha e quiserem ajudar, não precisa ser apenas doando mas também divulgando e incentivando essa ideia.

Link da campanha no Face aqui



25 de janeiro de 2013

Hex Hall – Rachel Hawkins


Livro: Hex Hall
Titulo Original: Hex Hall
Autor: Rachel Hawkins
Editora: Galera Record
Ano: 2011
Avaliação: 3,5/5
Sinopse:
Há 3 anos, Sophie descobriu que não é uma menina como as outras. Ela é uma bruxa e, até agora, isso só lhe trouxe alguns... arranhões! Sua mãe fez tudo o que pôde para ajudar: leu o que conseguiu encontrar sobre bruxas, fadas e magia; procurando consultar o pai ausente de Sophie — um poderoso feiticeiro europeu — só quando necessário. Até que a menina atrai atenção além da conta depois de um feitiço de amor poderoso demais... E é seu pai que define a sentença: Sophie deve ir para Hex Hall, um reformatório afastado de tudo e de todos que está sempre de portas abertas para receber qualquer “prodígio” que saia da linha — ou seja, além de bruxas como Sophie, fadas, metamorfos etc. E a tendência de Sophie para encrencas não decepciona. Já no fim do primeiro dia, ela acumula problemas: três poderosas inimigas que mais parecem supermodelos, uma fantasma que cisma em persegui-la, uma paixonite idiota pelo feiticeiro mais charmoso da escola — e ele tem namorada, mas como Sophie poderia saber? Para piorar, sua companheira de quarto é a pessoa mais odiada do campus, e a única vampira entre os alunos... Sim, os sanguessugas não têm boa fama, e uma série de ataques a estudantes acaba fazendo da única amiga de Sophie a suspeita número um na mira do Conselho e da direção da escola. Isso não é tudo, e Sophie precisa se preparar. Uma antiga sociedade secreta determinada a destruir todos os prodígios, inclusive e principalmente ela, parece estar mais próxima do que nunca de Hex Hall. Sophie terá de descobrir, do que sua magia é capaz e, sobretudo, suas origens e quem ela é de verdade.

Comentários: 
Um YA com uma temática diferente (bruxas) que tem uma narrativa que parece conduzir o leitor pela mão capítulo a capítulo, e por mais que a história não possua grande profundidade é em sua leveza que ela ganha quem está lendo. 
O livro conta a história de Sophie uma adolescente de 16 anos que possui alguns problemas normais, os pais são separados, ela vive se mudando e mal conhece seu pai mais o grande diferencial nesse padrão é que ela é uma bruxa que tenta conviver no mundo normal, mas após um pequeno acidente acaba sendo mandada para Hecate Hall (mais conhecido como Hex Hall), um internato para Prodígios, seres mágicos como fadas, metamorfos e bruxas. Nesse internato Sophie além de ter que escapar de várias situações, lidar com novos sentimentos, descobrir que seres mágicos possuem inimigos, ela ainda terá que se descobrir para saber mais sobre quem ela é. 
A narrativa de Rachel Hawkins segue o padrão das histórias fantásticas que envolvem adolescentes colegiais, mas a trama é tão bem amarrada e bem trabalhada que o livro se torna envolvente. A mitologia criada pela autora não traz muitos conceitos diferentes dos já conhecidos em relação aos seres mágicos tratados, porém a ideia de uni-los em um ambiente escolar e dar enfoque a suas diferenças e como eles convivem juntos é o que dá corpo a narrativa. 
Quem narra a história é a própria Sophie (ponto de vista em primeira pessoa), um estilo que geralmente me desagrada mas a autora soube trabalhar a personagem e seus fluxos de consciência são leves e cheios de piadas e ironias mesmo quando se está no meio do drama adolescente. Os capítulos geralmente são finalizados com ganchos que mantém uma ótima fluidez na leitura
Os personagens são bem trabalhados, a autora desprendeu atenção tanto para os principais como para os secundários, assim o leitor consegue se prender a cada detalhe da história, o que acaba se mostrando importante no desenvolvimento da trama. 
O livro é bem escrito, leve e acaba prendendo o leitor sem que ele perceba. Uma ótima pedida para aqueles que gostam de YA com fantasia e querem se divertir com a leitura. 

Ps: O segundo livro desta série será lançado com a capa americana (que difere da capa lançada aqui no Brasil) mas para aqueles que gostam de manter um padrão a editora trará também o primeiro livro na capa americana


23 de janeiro de 2013

[Filme] Across the Universe




Título original: Across the Universe
Duração: 133 minutos
Direção: Julie Taymor
Roteiro: Julie Taymor
Distribuidora: Columbia Pictures do Brasil
Ano: 2007
Avaliação: 4/5






Comentários:
Já tinha comentado que tenho uma queda por musicais, e com isso tenho que dizer que Across the Universe ganhou um espaço só dele em meu coração. Afinal, é um musical que vai basear toda a sua história nas músicas dos Beatles e mostrou que não apenas foi capaz de criar uma narrativa com essas músicas, mas sim passar também todo o espírito de uma geração. 
Ambientado na década de 60, vai contar a história de jovens que buscam um mundo melhor, Jude (Jim Sturgess), um inglês que vai para os Estados Unidos em busca de seu pai até então desconhecido. Max (Joe Anderson) e Lucy (Evan Rachel Wood), irmãos que são criados no bom seio da família americana de classe média, enquando Max quer uma vida de liberdade Lucy quer se achar, com isso todos vão parar em Nova York, reduto da música, arte, droga e dos hippies. O filme vai ter como pano de fundo da história a guerra do Vietnã, deixando os dramas mais intensos entre os personagens. 
O filme vai inserir de forma natural o repertório dos Beatles, cobrindo as fases da banda e mostrando várias de suas musicas mais famosas, desde as baladas até as que são mais psicodélicas (que carinhosamente chamo de “fase LSD”), e estas vão se entrelaçando na história como se tivessem sido compostas para o filme. 
Recomendo muito ! 


21 de janeiro de 2013

[Evento] Livros em Pauta – Segunda Edição



A segunda edição do evento Livros em Pauta trouxe diversas palestras, autores, livros e principalmente: virou um ponto de encontro daqueles que gostam de literatura. 
Com sete palestras, bate-papos, sessões de autógrafos e lançamentos o evento reuniu um bom número de pessoas no espaço China Trade Center no dia 19/1 (sábado). Nesta edição consegui assistir apenas três palestras: 
A primeira tratou sobre Marketing literário: estratégias de vendas e divulgação de escritores, ministrada por Leandro Schulai. Foi explicado mais sobre marketing literário, mostrando a diferença entre o escritor e o vendedor e como a editora e o autor trabalham de forma diferente na venda dos livros. Ao final, foram abordadas várias técnicas e modos de como vender seu livro (como o uso de redes sociais) e a importância de se preocupar com a qualidade de sua história buscando sempre se aprimorar, mas acima disso sempre acreditando em seu sonho. 
A segunda que assisti foi um debate sobre o boom dos blogs literários em que participaram:  Walter Tierno, Milena Cherubim, Danilo Leonardi e Tatiany Leite sendo mediado por Eduardo Marchiori em que se discutiu a nova moda dos blogs literários (chegando a abordar também o aumento do número de vlogs literários), qual a função desses em divulgar a literatura, a ética sobre como fazer um bom trabalho como blogueiro e indo para um “nível maior” sobre o problema da leitura no Brasil e como os blogs podem mudar o panorama do baixo número de leitores no país. 
A última que vi foi "Do original à versão final – Como funciona o trabalho de revisores, tradutores e preparadores de originais", realizada por Kyanja Lee, Sandra Garcia Cortés e Petê Rissatti e moderada por Maurício Muniz em que comentaram sobre todo o trabalho com “o texto” realizado na editora, sobre tradutores, revisores, preparadores de originais e pareceristas, como está o mercado de trabalho e a vida desses profissionais. 
Durante todo o evento havia uma grande venda de livros, lançamentos, networking de profissionais do setor, cosplay e autores que estavam autografando. 
A segunda edição do Livros em Pauta não ficou devendo nada para a primeira e sinto que a tendência do evento é crescer e atingir mais pessoas interessadas nas várias áreas da literatura, desde leitores a autores, profissionais do setor a curiosos do assunto. 

Ps: Minha única aquisição do dia foi o livro “Livraria Limítrofe” de Alfer Medeiros (que está com uma edição linda). 


19 de janeiro de 2013

Listas Aleatórias: 7 motivos para ver Fringe



Durante anos, Fringe tem sido uma das minhas séries favoritas. Uma das primeiras que comecei a acompanhar com vontade e nunca sequer cogitei a possibilidade de abandonar. 

Esta semana saiu o seu series finale e, pelo o que me disseram, o final está digno da série. Não sei, estou postando aqui antes de ver e ficar emocionalmente abalada e incapaz de escrever alguma coisa com coerência. Por sugestão da Dani, o Listas Aleatórias é dedicado a uma das melhores séries sci-fi dos últimos anos.

7 motivos para ver Fringe:


1- Fringe é uma série que não subestima o seu público. Não te dá as coisas de bandeja e consegue procurar indagações e reflexões extremamente interessantes. De derreter o cérebro. Em todos os seus episódios.

2- Os personagens são excelentes e muito bem construídos. São raras as séries em que gostamos de todos os personagens principais, mas Fringe consegue este feito: é impossível desgostar de um ou outro personagem. Todos são fundamentais e todos acabam despertando um apego na gente, de um modo ou de outro.

3- A série é recheada de easter eggs e referências de todos os tipos - de Lost à Star Trek -, e a graça toda é tentar pescar uma coisa ou outra durante os episódios.

4- As atuações são impressionantes. Já perdi a conta de quantas vezes me emocionei (e chorei baldes) com determinadas cenas por causa do modo como os intérpretes conseguem demonstrar tantas emoções somente com um olhar ou um gesto. E o destaque especial é John Noble, que interpreta o cientista Walter Bishop, sempre oscilando entre genial e insano.

5- Fringe é uma série que surpreende e se reinventa. Quando comecei a ver, não imaginava até que ponto chegaria. Cada nova temporada levava a trama para um ponto totalmente inesperado, sempre expandindo o seu universo (o trocadilho é intencional!).

6- A série é muito bem produzida. Seja nos efeitos especiais (de cérebros derretendo a cabeças explodindo), seja nas locações e no próprio modo técnico em conseguir transmitir toda a estranheza de algumas situações, servindo como um instrumento narrativo.

7- Acima de tudo, Fringe é uma série que lida com o que é ser humano. Desde o modo como os personagens lidam com as próprias confusões e problemas, alterando a estrutura do universo por causa de amor, até o ponto de abordar o eterno conflito entre o racional e o emocional. Mesmo se despirmos Fringe de todo o seu lado de ficção científica, o que sobra é a estória de um pai que faz de tudo para salvar o filho que ama e tentar tornar o mundo (e o universo) melhores no futuro. E isso é lindo!


Agora vão ver a série e nem quero saber de desculpas, afinal a série vai estar completinha e sem a angústia de se esperar por novos episódios e novas temporadas. Vão vão vão!

17 de janeiro de 2013

[Teatro] Musical - Tim Maia, Vale Tudo


Já tinha visto comentários sobre esse musical quando estreou aqui em São Paulo, sendo interpretado pelo Tiago Abravanel, e fiquei morrendo de vontade de ver, mas os preços não me ajudaram muito. 
Um tempo depois o espetáculo passou a ser interpretado pelo Danilo de Moura e em um período de valores mais baixos consegui finalmente assistir esse espetáculo que vai mostrar toda a vida desse cantor a partir de suas próprias músicas. 
Antes tenho que dizer que a peça é para aqueles que gostam ou simpatizam com o Tim. 
A cenografia é simples se comparada com outros musicais que cheguei a ver, não há mudança de cenário, a banda fica ao fundo e o palco parece um estúdio. Os mesmos atores interpretam personagens diferentes , porém isso não desmerece a peça, na verdade cria um ar intimista e de familiaridade com as vozes (por sinal muito boas) de todos eles que acabam se adaptando ao que estão interpretando. 
O ponto de início do musical é o último show de Tim e nesse momento há uma volta no tempo e a sua história é contada a partir de seus 13 anos e toda a sua trajetória e vida pessoal são exploradas até seus momentos finais, uma pequena curiosidade que rendeu momentos engraçados durante a peça é que as passagens de tempo são demarcadas pelos anos e por quantos quilos Tim acabou ganhando. Fiquei muito feliz ao descobrir vários aspectos desse cantor, como por exemplo que sua carreira começou ao lado de Roberto Carlos e que ele tinha uma amizade com ele e com Erasmo entre tantas outras aventuras de Tião Marmiteiro (como Tim era conhecido quando jovem)
Há momentos emocionantes e dramáticos, a produção simples e em vários momentos é muito fácil se esquecer que está em um musical e achar que está em um show de Tim Maia.  




15 de janeiro de 2013

Steampunk Poe – Edgar Allan Poe


Livro: Steampunk Poe
Titulo Original: Steampunk Poe
Autor: Edgar Allan Poe
Editora: Id
Ano: 2012
Avaliação: 4/5
Sinopse:Apresenta o casamento entre o clima gótico dos contos e poemas do escritor clássico norte-americano. Edgar Allan Poe, e o chamado "Steampunk", gênero da ficção científica e da fantasia que mescla aspectos tecnológicos do século XIX (steam = vapor), a uma certa rebelião contra a tecnologia (o punk). Embora muitos sempre tenham achado que figuras góticas e engrenagens enferujadas se destinavam a ser parceiros brilhantes, o resultado supreende tanto aos admiradores do escritor, quanto ao gênero. A obra de Poe é aprsentada em textos completos, com os contos macabros de horror e mistério intensificados pelas igualmente mórbidas ilustrações no estilo Steampunk. Prepare-se, pois você pode nunca mais encarar Poe, ou o Steampunk da mesma maneira.

Comentários:  
Como o primeiro tema do desafio literário é livre decide ler um livro que me apaixonei Steampunk Poe. Essa edição da editora Id irá trazer uma pequena coletânea da obra de Edgar Allan Poe, que consiste em sete contos e duas traduções do poema “O Corvo” (uma feita por Machado de Assis e outra por Fernando Pessoa), mas com uma inovação: a introdução do estilo Steampunk por meio de ilustrações  de Zdenko Basic & Manuel Sumberac que podem ser vistas durante o livro. 
Poe é um autor renomado de contos e poemas americano e sua obra atravessa geração sempre conquistando novos leitores. Como a própria introdução do livro explica, apesar de Poe ser anterior ao estilo Steampunk a afinidade entre ele e o gênero fez com que surgisse essa obra. 
Já conhecia a obra de Poe e tinha lido alguns de seus contos e o poema “O Corvo”, mas ao ver essa edição linda decidi que precisava reler alguns contos e conhecer outros. 

No primeiro conto, “A máscara da morte rubra” o estilo de mistério que permeia a obra de Poe é utilizado e  pode fica mais evidente pela descrição dos ambientes e dos personagens e principalmente pelo tema do conto que trata de uma peste que acaba por matar as pessoas em meia hora. 

“A ‘Morte Rubra’ devastava o país. Até então, nenhuma pestilência tinha sido tão fatal nem tão horrenda. O sangue era seu avatar e sua marca – a vermelhidão e o horror do sangue”  p. 17

Em “O coração delator” o conto conta com uma simplicidade de conteúdo da narrativa, a história do personagem que está aficionado pelo olho do companheiro com quem mora junto, mas a simplicidade do conteúdo apenas favorece os recursos narrativos utilizados para gerar a tensão, elemento principal durante a história, e aqui temos uma mudança do primeiro conto pois este é narrado em primeira pessoa. 

Em “A queda da casa de Usher” a narrativa também é em primeira pessoa e o mistério permeia o conto em que o narrador vai visitar Usher, seu amigo que sofre de uma doença rara e para ajudá-lo ele fica hospedado na mansão. Aqui Poe vai encaminhando o leitor lentamente para criar um ambiente denso e decrépito que vai guiar os acontecimentos da narrativa. 

“Minha impressão era a de respirar uma atmosfera opressiva e angustiante. Um ar de profunda e irredimível melancolia pairava sobre tudo e a tudo permeava.” p. 48

No conto “Os assassinatos na rua Morgue” Poe dá início a um gênero que será muito utilizado no futuro, o da investigação criminal em que um assassinato horrível ocorre e os personagens devem desvendar o que aconteceu. Nesse conto podemos ver como o autor é excepcional ao criar as narrativas que se basearão na dedução e na investigação pois logo no início há uma “pequena tese” sobre o pensamento analítico e como ele é utilizado. 

Já o “Embuste do balão” foi o conto que menos me identifiquei nessa coletânea, aqui a história será sobre uma viagem de balão que conseguiu atravessar o oceano em tempo recorde, mas achei o conto meio parado principalmente o inicio que vai falar sobre toda a parte técnica e de engenharia do balão.
O “Os óculos” já é um conto que tende para o gênero da comédia em que Poe constrói uma história em que o personagem, que possui um problema de visão, se apaixona perdidamente por uma estranha e como ele conseguirá ficar com ela. Esse foi o conto de mais rápida leitura, pois é descontraído e o final guarda uma surpresa que vale a história toda.  

“Eu me dava conta, eu sentia, eu sabia que estava profunda, louca e irremediavelmente apaixonado – e isso antes mesmo de ver o rosto da pessoa amada.” p. 155

No último conto “O método do doutor Tarr e do professor Fether” tem como tema principal uma questão que rodeia outras obras do autor, a loucura, e conforme o assunto é tratado no conto é capaz de gerar algumas reflexões. 

E a última parte do livro me deixou especialmente feliz, pois o poema “O corvo” já é um poema que adoro e poder ver duas traduções diferentes de grandes autores como Machado de Assis e Fernando Pessoa e perceber a particularidade de cada um, Machado com uma lírica mais rebuscada e Pessoa prezando pela simplicidade, fizeram desse livro mais especial. 
“Diante da ave feia e escura, 
Naquela rígida postura, 
Com o gesto severo, - o triste pensamento
Sorriu-me ali por um momento, 
E eu disse: ‘Ó tu que das noturnas plagas
Vens, embora a cabeça nua tragas, 
Sem topete, não és ave medrosa,
Dize os teus nomes senhoriais; 
Como te chamas tu na grande noite umbrosa?’
E o corvo disse: ‘Nunca mais.’”  (Tradução por Machado de Assis) p. 229


“E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com solene decoro de seus ares rituais. 
‘Tens o aspecto tosquiado’, disse eu, ‘mas de nobre e ousado’
Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais! 
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais.’
Disse o corvo, “Nunca mais”.  (Tradução por Fernando Pessoa) p. 238

A edição da Id está muito boa, as ilustrações estão lindas e encaixam com a história. Só tenho uma pequena ressalva, pois encontrei pequenos erros de revisão, mas estes não atrapalham a leitura.


13 de janeiro de 2013

Desafio 30 livros da sua estante


Hoje vim responder a uma convocação feita pela Milena do blog Memories of the Angel que consiste em escolher 30 livros que estão na sua estante (para dar uma desafogada daquela enorme pilha de ainda não lidos), então aqui está a minha lista:

1. Assassin's Creed - Renascença - livro 1, de Oliver Bowden

2. Postais do Coração, de Ella Griffin

3. Ecos da Morte - The Body Finder - Livro 1, de Kimberly Derting

4. Em Alguma parte Alguma, de Ferreira Gullar

5. Segredos Revelados de, Fern Michael

6. Cinquenta Tons de Cinza, de E. L. James

7. Necrópolis - Livro 1 - A Fronteira das Almas, de Douglas MCT

8. Cidade dos Anjos Caídos - Os Instrumentos Mortais - Vol.4. de Cassandra Clare

9. O Silêncio do Túmulo - Reykjavík Murder Mystery - Livro 04, de Arnaldur Indridason

10. O Mágico de Oz, de Lyman Frank Baum

11. As Vantagens de Ser Invisível, de Stephen Chbosky

12. A Última Princesa, de Fábio Yabu

13. A Seleção - The Selection - Livro 01, de Kiera Cass

14. Cidade de Ladrões, de David Benioff

15. Hex Hall, de Rachel Hawkins (resenha)

16. Eu Sou o Número Quatro - Os Legados de Lorien - Livro 1, de Pittacus Lore (resenha)

17. Música das Sombras - Trilogia Highlands' Lairds 3, de Julie Garwood

18. Antes que Eu Vá, de Lauren Oliver

19. A Corrida de Escorpião, de Maggie Stiefvater

20. Divergente - Divergente - Livro 1, de Veronica Roth

21. A última casa da rua, de Lily Blake, David Loucka e Jonathan Mostow

22. Nascida à Meia-Noite - Saga Acampamento Shadow Falls - Livro 1, de C.C. Hunter

23. Não conte para a mamãe - Memórias de Uma Infância Perdida, de Toni Maguire

24. Strange Angels - livro 1, de Lili St. Crow

25. Em busca de Wondla - Wondla - Livro 01, de Tony DiTerlizzi

26. Bela Maldade, de Rebecca James

27. O Aprendiz - As Aventuras do Caça Feitiço - Livro 1, de Joseph Delaney

28. O Labirinto dos Ossos - The 39 Clues - Livro 1, de Rick Riordan

29. A Fera, de Alex Flinn

30. Estranha Presença, de Sarah Waters

11 de janeiro de 2013

[Série] New Girl – Primeira Temporada




Título Original: New Girl
Temporada: 1
Ano: 2011
Roteirista: Elizabeth Meriwether
Emissora: Fox
Avaliação: 3/5







Comentários:
New Girl foi uma série de comédia que me fez rir por conta das situações inusitadas as frases de efeito e momentos totalmente vexaminosos.
A série conta sobre Jess, uma garota não muito normal, meio nerd e que adora cantar (e faz isso nas piores situações). Ela acaba morando com três caras que também não são muito normais, e se o fato de uma mulher morando com três homens por si só já pode ser complicado, em New Girl ele vai se tornar cômico. Um seriado de comédia despretensioso, totalmente informal, com o único objetivo de fazer rir e o cumpre bem, de forma leve e única.
Os episódios são curtos e isso mantém um bom ritmo durante a série, as histórias possuem ligações entre si e vão evoluindo e se complicando conforme a trama acontece. Os personagens merecem várias observações, apesar de uma pequena falha, de um personagem que simplesmente some nos primeiros capítulos (que mal me engane do primeiro para o segundo) sem nenhuma explicação, eles são bem construídos e suas características pessoais muito bem exploradas, daquele jeito exagerado que só a comédia pode fazer.
Comecei a assistir essa série por indicação da Jéssica (colaboradora aqui do blog) e nos primeiros episódios me perguntava: “Ok, o que é isso ?” mas conforme fui assistindo acabei sendo presa nos encantos desse humor leve e único de Jess e mal percebi quando cheguei no último capítulo e o melhor: ainda não sei direito o que é isso mas  cheguei a conclusão de que não importa, quero mesmo é a próxima temporada.


9 de janeiro de 2013

[Filme] O Hobbit – Uma jornada inesperada




Título original: The Hobbit: An Unexpected Journey
Duração: 170 min.
Direção:  Peter Jackson
Roteiro:  Peter Jackson,  Philippa Boyens e Guillermo del Toro
Distribuidora:  Warner Bros.
Ano: 2012
Avaliação: 5/5






Comentários:
O Hobbit foi um filme que me surpreendeu e me encantou em vários aspectos, em um primeiro momento foi com a notícia que na verdade, apesar de ser baseado em apenas um livro de Tolkien, o filme seria feito em três partes e a minha segunda surpresa foi que o filme é surpreendente. 
O foco da história dessa vez é a vida de Bilbo (Martin Freeman) e sua aventura com Gandalf, o mago (Ian McKellen), Thorin , Escudo de Carvalho (Richard Armitage), e os outros anões que buscam recuperar a montanha de Erebor.
Como de costume dos filmes inspirados nos livros de Tolkien a fotografia é de tirar o fôlego, as imagens e cenários são lindos. 
A trama é bem elaborada e desde o principio traz a forte característica de ligar ou explicar vários pontos que foram tratados na trilogia de O Senhor do Anéis, como por exemplo como Bilbo conheceu Valfenda ou como encontrou o anel. 
Os atores estão muito bem caracterizados, além de podermos rever personagens conhecidos como Gandalf, Frodo, Elrond entre outros e os personagens novos ganharam seus espaços, como os 13 anos e a versão jovem de Bilbo.
O filme possui um ritmo mais acelerado, com muitas cenas de ação e poucos “descansos” ou “alívios” durante a trajetória, há sempre algo inesperado acontecendo que te faz ficar tenso por vários momentos.
Um filme muito bom que não ficou devendo em nada para as adaptações anteriores. 



7 de janeiro de 2013

Mudanças e Meme


Oi gente, esse post é para falar um pouquinho das mudanças aqui do blog e responder um meme.

Mudanças: 
Como vocês podem ver o blog está com uma novo lay (Olhos de Ressaca versão 2013) espero que vocês gostem, na barra lateral agora é possível ver as categorias e procurar um livro, filme, série ou peça por título ou ver os posts com as listas, a cobertura de eventos e diversos por data.
Para manter as postagens mais padronizadas decidi agora que os posts sobre novidades, lançamentos e divulgação de eventos serão feitos pela página do facebook.
Esse ano quero tentar diversificar mais as postagens do blog e estou com alguns projetos que ainda estou elaborando, mas espero levar um pouco mais das muitas coisas que gosto.
Aproveitem o blog versão 2013.

Meme: 
A Rose do blog Fábrica de Convites me mandou esse meme que achei bem interessante, então vamos lá:

Meme:Tudo Sobre o Livro Que Está Lendo

1-Qual o livro que você está lendo?
Steampunk Poe.

2- Em que página você está?
Página 151.

3-Quando você começou a lê-lo?
Iniciei a leitura no dia 2 de janeiro.

4-Qual a nota você dá para ele? (Dê quantas estrelas você achar que merece)
No momento o livro está com a nota 4/5 

5- Abra seu livro na página 28 na linha que corresponda à sua idade (Por exemplo, eu tenho 15 anos então seria na linha 15) e digite a frase/passagem que estiver lá:(quem tiver uma idade superior as linhas do livro tem que ir contando até o fim da página e retornar ao início até fechar a idade.)
"...enlouquecido de raiva e de vergonha por sua momentânea covardia..."

6- Qual a última frase do seu livro?
"Liberta-se-á...nunca mais!"

7- Qual a primeira frase do seu livro?
"A 'Morte Rubra'devastava o país."

8-Coloque uma foto de você com seu livro/ ou apenas a imagem do livro:


9-Repassar para algum/alguns blog(s) que você goste e ache que o blogueiro (a) vai responder ;)

Milena do Memories of the Angel

Jéssica do Solilóquio a Dois

Vivi do Filmes, Livros & Séries

Rafa do Livros entre Amigos

5 de janeiro de 2013

Listas Aleatórias: 7 motivos para ler "As Vantagens de Ser Invisível", Stephen Chbosky



1- O Romance Infanto-Juvenil "As vantagens de ser invisível", do autor Stephen Chbosky, possui uma narrativa emocionante, que retrata a adolescência fugindo anos-luz dos clichês relacionados ao gênero e abordando tudo com uma sensibilidade enorme. Uma das frases mais marcantes, a meu ver, sintetiza um dos sentimentos de se ser adolescente: "Eu me sinto infinito". E Charlie, o protagonista, percebe esses momentos de "infinitude" de modo fantástico.

2- A linguagem utilizada no romance é quase infantil no começo, mas evolui conforme o personagem vai amadurecendo a sua percepção do mundo e conforme vai aprofundando o seu relacionamento com a literatura.

3- As referências literárias no romance são ótimas e algumas delas ajudam a compreender muito do que o Charlie está vivendo no momento.

4- A "trilha sonora" do livro também é fantástica. Por se passar no início da década de 90, ainda é muito comum no romance a prática de se gravar fitas K7 e fazer seleções musicais (para si e para trocar com amigos). As músicas mencionadas por Charlie retratam muito do seu universo interior e são ótimas de verdade, sempre estou ouvindo-as.

5- São raros os livros que lemos e em que conseguimos gostar de todos (ou praticamente todos) os personagens principais. Neste livro acaba-se criando uma afeição enorme não só pelo Charlie, mas por todos os personagens em algum momento da narrativa, principalmente os melhores amigos dele: Sam e Patrick.

6- O romance é composto por cartas que Charlie escreve para um amigo, que não sabemos quem é. A ideia de que, talvez, o Charlie esteja escrevendo para nós, leitores, tem algo de especial e reconfortante. Porque realmente dá a impressão de que ele dialoga com você e tenta te dizer, a cada carta, que embora existam momentos ruins e de angústia, as coisas podem melhorar.

7- A adaptação do filme captou bem todas as nuances e a delicadeza em se tratar temas tão marcantes, principalmente pelo roteiro e direção terem ficado a cargo do autor do livro, que soube como ninguém destacar os pontos certos.

PS: As "Listas do Charlie" podem ser encontradas no Wikipedia.

3 de janeiro de 2013

Queda de Gigantes – Ken Follett


Livro: Queda de Gigantes 
Titulo Original: Fall of Giants
Autor: Ken Follett
Editora: Sextante
Ano: 2010
Avaliação: 5/5

Sinopse:
Queda de gigantes é o novo épico de Ken Follett. O primeiro romance desta trilogia segue o destino de cinco famílias durante a Primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa. Aos 13 anos de idade, Billy Williams entra em um mundo de homens nos poços de mineração da Gália. Gus Dewar, um estudante de direito norte-americano sem sorte no amor, encontra uma carreira nova e surpreendente. Dois irmãos órfãos russos, Grigori e Lev Peshkov, embarcam em caminhos radicalmente diferentes separados por metade do mundo quando seus planos de emigrar para os Estados Unidos falham por causa da guerra e da revolução. Estes e muitos outros personagens têm suas vidas intimamente entrelaçadas em uma saga que se desdobra em drama intrigante e complexo. Queda de gigantes vai de Washington à São Petersburgo, da sujeira e do perigo de uma mina de carvão aos candelabros brilhantes de um palácio, dos corredores do poder para os quartos dos poderosos. Como sempre acontece com Ken Follett, o contexto histórico pesquisado é brilhante e a ação processada em movimentos rápidos. Os personagens são ricos em nuances e emoção. Está nascendo um novo clássico.

Comentários:
Tinha visto vários comentários sobre os livros do Ken Follett, mas nada me preparou para o que encontrei ao ler Queda de Gigantes, simplesmente amei o livro e toda a trama que ele apresenta. 
Quando peguei o livro para ler a primeira sensação era que as 908 páginas de história iriam me consumir muito tempo (para explicar: sim eu leio livros grandes, mas como não gosto de me apressar em minhas leituras eles geralmente demandam mais dedicação) porém a leitura fluiu de um jeito tão bom que mal percebi e já estava na metade. 
Sendo um romance histórico o livro vai abordar os anos de 1911 até 1923 abrangendo assim vários aspectos da história como a Primeira Guerra Mundial, a Revolução Russa, a ascensão do Partido Trabalhista, a luta pelo direito da mulher entre tantas outras coisas e para poder abordar melhor os pontos de vista que participaram desses eventos Follett vai trabalhar com cinco núcleos diferentes (que durante a história acabam se ligando): um inglês, um galês, um russo, um americano e um alemão e com isso ele pôde abordar todos os lados que participaram desses acontecimentos. 
Não vou falar muito sobre a história abordada pelo autor por já serem fatos conhecidos, ele irá trazer as relações e vidas dos núcleos antes, durante e depois da guerra e como tudo aconteceu. A narrativa de Follett é fluída não perdendo o ritmo, pois quando um dos núcleos fica um pouco maçante ele logo passa para o outro trazendo novos pontos de vista e acontecimentos e uma das coisas que me encantaram nesse livro foi que ao trazer personagens para narrar acontecimentos históricos verídicos o autor conseguiu humanizar grandes marcos da sociedade (por exemplo, ao se tratar de Primeira Guerra geralmente pensamos em potências que guerrearam e o livro vai trazer as pessoas que guerrearam: os soldados, os aristocratas, os governantes, a parte humana por trás da História). 
Outra observação que preciso fazer é sobre a construção dos personagens, e nesse caso o livro merece todos os parabéns, pois a história possui muitos personagens (muitos mesmo, cada núcleo tem no mínimo 3 personagens e conforme a narrativa vai evoluindo outros são apresentados ao leitor) e o autor constrói todos eles de um jeito primoroso, não há uma falha de caracterização e os personagens vão evoluindo durante a trama de modo humano e encantador, com superações, falhas, arrependimentos além do aprofundamento da relação entre eles que ocorre a cada capítulo. Uma surpresa muito agradável ao ler foi ver a introdução na narrativa de personagens históricos reais que foram tão bem embasados que é possível se sentir mais próximo daqueles nomes que conhecíamos apenas nas aulas como Winston Churchill, Lênin e Trótski.
Um livro que recomendo muito para todos aqueles que gostam de um bom romance, de histórias bem construídas e personagens envolventes, mas recomendo mais ainda para aqueles que são fãs de romances históricos bem embasados, de entender um pouco mais do passado da civilização e que gostam de ver os fatos que permeiam nossos anos anteriores de um jeito mais humano. Não apenas um livro de entretenimento, mas um livro de reflexão sobre nossas guerras, revolução, relações políticas e ideais.
Ps: Não sei porque, acho que tive um momento de cegueira seletiva, e não vi que esse livro é o primeiro de uma trilogia (o que está visivelmente informado na capa), e achei que isso fosse acabar me desanimando porém foi justamente o contrário agora quero muito ler os próximos volumes - Até porquê o autor deixou ganchos muito bons para o próximo). 

Trilogia O Século: 

1 – Queda de Gigantes.
2 – O Inverno do Mundo.
3 – Ainda sem título definido. 

1 de janeiro de 2013

[Tag] 12 livros para ler em 2013

Aproveitando o início de 2013 resolvemos responder a uma tag criada pela Cláudia do canal A mulher que ama livros, 12 livros para ler em 2013:

DANIELE

1 – O ladrão de Raios, da série Percy Jackson e os Olimpianos, de Rick Riordan – tenho que assumir que ainda não li nada do Rick Riordan e decidi, depois de indignações e ameaças daqueles que tanto amam esse autor, começar por essa série. 
2 – A Guerra dos Tronos - As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin – adquiri um hábito de ler séries apenas quando elas já estão encerradas ou com perspectiva de encerramento em breve, o que não ocorre com A Guerra dos Tronos, porém motivada por meus amigos que são fãs dessa série, e considerando que já possuem cinco livros publicados, vou quebrar minha regra e começar a me aventurar pelo inverno narrado por esse autor. (resenha)
3 – Deuses Americanos, de Neil Gaiman – depois de ser totalmente conquistada por Gaiman prometi que iria ler mais livros de sua autoria. 
4 – A Garota que Perseguiu a Lua, de Sarah Addison Allen – queria procurar um romance para minhas leituras de 2013 e ao ver vários comentários muito positivos sobre essa obra escolhi esse. 
5 – A Lista Negra, Jennifer Brown  – comprei esse livro na bienal do ano passado pois estava morrendo de vontade de ler,  porém acabei deixando a leitura sempre para depois, mas de 2013 não passa.
6 – O Nome do Vento, de Patrick Rothfuss – um dos livros mais comentado de 2012 que estava parado na estante só esperando para ser lido. 
7 – Antes de Dormir, de S. J. Watson – ganhei este livro de aniversário e estou bem curiosa com a história. 
8 – A Culpa é das Estrelas, de  John Green – comentários positivos, emoção e lágrimas são os resultados que ouvi de quem já leu as obras de John Green então está na minha lista de 2013. 
9 – Feios, de Scott Westerfeld – tenho uma lista de livros desse autor na minha estante, porém nunca li nada de sua obra e decidi começar pelo primeiro livro que comprei. 
10 – O Caso Laura, de André Vianco – já li todos os trabalhos sobre vampiros de Vianco e decidi conhecer suas outras vertentes. 
11 – Incarceron, de Catherine Fisher – após ver algumas resenhas fiquei bem curiosa com a história desse livro. 
12 – Um Estudo em Vermelho, de Sir Arthur Conan Doyle – quero conhecer mais sobre Sherlock Holmes e nada melhor do que ir direto à fonte.  (resenha)

JÉSSICA: 


1 – A Dance with dragons, da série "A Song of Ice and Fire" (As Crônicas de Gelo e Fogo) de George R. R. Martin, que estou enrolando há meses para ler:




2 – Assassinato no Expresso do Oriente, Agatha Christie, que não consegui ler no ano anterior e pretendo dar mais uma chance:





3 – Belle, Lesley Pearse, que já está na lista de leituras há meses:




4 – Noites Brancas, Dostoiévski, que também não consegui ler no anterior e preciso ler porque literatura russa sempre vale a pena:




5 – Um lugar para ficar, Deb Caletti, que não faço muita ideia sobre o assunto, mas está na lista interminável de coisas a serem lidas:




6 – O Sonho de Eva, Chico Anes, que tem uma premissa interessante e estou curiosa para ler:




7 – Ladrão de Almas, Alma Katsu, também com um premissa interessante envolvendo fatos históricos: 




8 – PS: Eu te amo, Cecelia Ahern. Não é muito o meu estilo de leitura, mas vi o filme e adorei a história:
(resenha)


9 – Ruas Estranhas, coletânea de histórias fantásticas urbanas editadas por George R. R. Martin e Gardner Dozois e que tá ali na minha estante me tentando:




10 – Gregor - O Guerreiro da Superfície, Suzanne Collins - ganhei de amigo secreto da Dani e estou louca para ler!




11 – Laranja Mecânica, Anthony Burgess - Depois de ver a sua adaptação, fiquei louca pelo livro:



12 – A vez da minha vida, Cecelia Ahern. Adoro livros cuja descrição é tão vaga que não faço a menor ideia do rumo que será tomado na narrativa. Me cativou pela curiosidade: