25 de fevereiro de 2013

[Promoção] Especial Mulheres



Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, 8 blogueiras se uniram para presentear vocês que mesmo com a vida atribulada sempre arranjam um tempinho para nos prestigiar. Olhem só o que separamos para vocês:

  1. "A Vez da Minha Vida" (Alegria de Viver...)
  2. "Socorro, Meu Príncipe Virou Sapo" (Animus Book);
  3. "Laços Inseparáveis" (Fábrica dos Convites);
  4. "Dizem por Ai" (Ler é o Melhor Lazer)
  5. "Hex Hall" (Memories of the Angel);
  6. "Qual seu número?"(Olhos de Ressaca);
  7. "Um Amor, Um Verão, e o Milagre da Vida" (Saleta de Leitura);
  8. "A Vez da Minha Vida" (Vitrine de Promoções)


A promoção será muito simples, basta ter endereço de entrega no Brasil e preencher o formulário. Todas as alternativas serão opcionais, mas quanto mais chances preencher, maiores serão suas chances de ganhar. E você que nos acompanha e que não é do sexo frágil, pode participar também, e aproveite para distribuir os livros para as mulheres de sua vida (mãe, irmã, esposa, namorada, filha, noiva, amiga...).
Serão 2 ganhadores, o primeiro sorteado vai poder escolher 5 livros entre os listados acima, e o segundo sorteado ficará com os outros 3 livros. Gostaram? Então corram para participar!






As inscrições devem ser feitas até o dia 26/03. O sortudo ganhador deverá responder ao e-mail com seus dados para entrega dos livros em até 3 dias para que o sorteio não seja refeito. A entrega de todos os livros são de inteira responsabilidade dos blogs participantes, que tem até 60 dias para enviá-los.

24 de fevereiro de 2013

Projeto Cronológico



Estava pensando em alguns projetos novos para o blog e decidi aproveitar uma mania que tenho (a de gostar de acompanhar alguma coisa por sua ordem cronológica) e criei o “Projeto Cronológico” em que vou escolher algum quesito entre filmes, livros e séries (pode ser a obra de um autor, a saga de um personagem, os filmes de um ator ou diretor específico, entre outras coisas que me forem surgindo) e com essa seleção irei seguir uma ordem cronológica. 
Para começar esse projeto vou escolher a saga de livros do personagem Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle. 

Lista de livros: 
  • Um estudo em vermelho (1887) – romance  (resenha)
  • O signo dos quatro (1890) – romance
  • As aventuras de Sherlock Holmes (1892) – contos
  • Memórias de Sherlock Holmes (1894) – contos
  • O cão de Baskervilles (1902) – romance
  • O retorno de Sherlock Holmes (1905) – contos
  • O vale do terror (1915) – romance
  • O último adeus de Sherlock Holmes (1917) – contos
  • Os arquivos de Sherlock Holmes (1927) – contos

Ps: não vou estipular um prazo para cumprir esses projetos (já estou em tantos desafios que seria quase humanamente impossível cumprir tudo) mas conforme for postando as resenhas vou atualizando essa página. 
Sintam-se a vontade para entrar no projeto e escolher o que gostarem para seguir em ordem cronológica. 

23 de fevereiro de 2013

[Filme] Argo


Título original: Argo
Duração: 120 min.
Direção: Ben Affleck
Roteiro: Chris Terrio
Distribuidora: Warner Bros. Pictures
Ano: 2012
Avaliação: 4/5
Sinopse: 1979. O Irã está em ebulição, com a chegada ao poder do aiatolá Khomeini. Como o antigo xá ganhou asilo político nos Estados Unidos, que haviam apoiado seu governo de opressão ao povo iraniano, há nas ruas de Teerã diversos protestos contra os americanos. Um deles acontece em frente à embaixada do país, que acaba invadida. Seis diplomatas americanos conseguem escapar do local pouco antes da invasão, indo se refugiar na casa do embaixador canadense. Lá eles vivem durante meses, sob sigilo absoluto, enquanto a CIA busca um meio de retirá-los do país em segurança. A melhor opção é apresentada por Tony Mendez (Ben Affleck), um especialista em exfiltrações, que sugere que uma produção de Hollywood seja utilizada como fachada para a operação.



Comentários: 
Ainda tentando cumprir minha meta “platônica” (já que raramente a cumpro, mas tento sempre) de assistir aos filmes indicados a melhor filme do Oscar, decidi partir para Argo. 
Dos filmes que assisti até agora, Argo foi o que se mostrou mais neutro em minha opinião, gostei da história e da produção, e fiquei empolgada em saber que é baseado em fatos reais, mas quando os créditos subiram eu ainda estava com aquela sensação de quero mais. 
O enredo é muito bom, mostrando como uma agente da CIA usa-se de um método extremamente criativo para conseguir resgatar membros da embaixada americana que estão presos no Irã. 
A parte do filme que mais me atraiu é quando eles estão armando tudo para poder fazer com que o plano aconteça, a montagem do filme, os contatos, provando toda a criatividade e inteligência necessárias para fazer com que um falso filme dê certo. 
Porém foi depois da montagem que senti que o filme perdeu um pouco do ritmo, quando na verdade deveria ser a parte mais emocionante, e depois quando a tensão volta a cena já estava fora de sintonia com a história. 
Argo é um bom filme, o enredo é diferente e vale a pena para conhecer como a história se desenvolveu, mas não está entre um dos meus preferidos.




20 de fevereiro de 2013

Um estudo em vermelho – Sir Arthur Conan Doyle


Livro: Um estudo em vermelho
Titulo Original: A study in scarlet
Autor: Sir Arthur Conan Doyle
Editora: FTD
Ano: 1991 (ano da edição)
Avaliação: 4/5
Sinopse:O cadáver de um homem, nenhuma razão para o crime. É a primeira investigação de Sherlock Holmes, que fareja o assassino como um “cão de caça”. Lamentava-se de que “não há mais crimes nem criminosos nos nossos dias”, quando, nesse instante, recebe uma carta a pedir a sua ajuda — o cadáver de um homem foi encontrado numa casa desabitada, mas não há qualquer indício de roubo ou da natureza da morte. Sherlock Holmes não resiste ao apelo, mas sabe que o mérito irá sempre para a Polícia.



Comentários:  
Após ver diversas adaptações de um personagem que eu supunha conhecer, decidi ir direto à fonte e saber quem realmente era Sherlock Holmes. 
Personagem criado por Sir Arthur Conan Doyle, em 1887, e suas aventuras se iniciam no livro “Um estudo em vermelho”. 
O livro não vai falar muito sobre a vida de Sherlock, sua história, justamente por ser narrado por Watson (e por esse motivo a vida de Watson “pré-Sherlock” é melhor abordada) a história começa a partir do momento em que eles se conhecem. Watson, um ex-médico do exército, que após ser ferido na guerra é dispensado acaba encontrando Holmes, um ser misterioso que apesar de não se conhecer nada sobre ele parece saber tudo sobre os outros. Holmes está procurando alguém com quem dividir um apartamento (e é ai que surge o famoso endereço na 221B da Baker Street) e com isso a vida deles se liga. 
Conforme a narrativa segue descobre-se que Sherlock é um “detetive-consultor” (como ele próprio se nomeia) que usando de sua incrível habilidade de dedução e raciocínio analítico, ajuda àqueles que não conseguem desvendar algum mistério. E é justamente sobre um crime que aparenta ser sem solução que se baseia a história. 
Não vou comentar muito sobre o crime, pois um dos elementos da narrativa é ir juntando todas as informações que forem surgindo. 
O livro é dividido em duas partes: a primeira é narrada por Watson e possui uma cadência leve e rápida. Não possui as extensas linhas de raciocínio características da narrativa em primeira pessoa, os diálogos são parte integrantes do texto e é dessa forma que pode-se conhecer os pontos de vista dos outros personagens. Já na segunda parte há uma mudança de narrador e aqui senti uma quebra de fluxo, há mais linhas de raciocínio e o ritmo é mais lento. Porém as partes do livro se completam dando sentido a história. 
Após a leitura minha concepção sobre Sherlock Holmes mudou um pouco, esperava mais cenas de ação (como vi em alguns filmes), mas a agilidade do texto se dá toda pela linha do raciocínio e não por cenas de luta, porém como este livro ainda é o primeiro da série que irá contar a história desse personagem vou esperar pelos próximos livros que tratam do famoso detetive. 

“...Eu não teria vindo se não fosse por você. E teria perdido o mais interessante estudo com que já me deparei: um ‘Estudo em vermelho’, hein? Por que não usarmos um pouco a linguagem artística? O fio vermelho do crime entremeia-se à meada descolorida da vida. Nossa missão é desenrolá-lo, isolá-lo, expondo-o em toda sua extensão.” p. 55 

18 de fevereiro de 2013

[Evento] Papo sem rodeios para autores iniciantes


Neste sábado (16/2) ocorreu o evento Papo sem rodeios, organizado pelo autor Walter Tierno que uniu, no Espaço Cultural Catarse, no Tatuapé, um grupo de autores, profissionais do livro, editores, autores iniciante, curiosos e interessados para debater, sem papas na língua (o quanto fosse possível), todo esse processo de criação literária e os trabalhos para a sua publicação. 
Durante o encontro foram tiradas várias dúvidas sobre registro da obra no EDA (escritório de direitos autorais) sendo que qualquer produção (de romances a contos) precisa do registro autoral. Foram tiradas várias dúvidas sobre o ISBN, que é uma obrigação da editora, mas o autor deve ficar atento para que tudo seja feito corretamente. 
Seguindo o gancho desse assunto foi comentado sobre os vários concursos culturais para autores , como os oferecidos pela Biblioteca Nacional e os que são oferecidos por cada região ou estado, como o PROAC em São Paulo, que se demonstram uma grande oportunidade para um autor  ter um subsídio para sua obra, porém para isso uma das dicas mais comentadas e reforçadas foi a necessidade de ler direito e seguir a risca todas as informações que constam no edital desse concursos. 
Outro assunto abordado foi sobre as oficinas de criação literária, que servem como um bom guia para os autores, porém não irão ensiná-lo como escrever um livro, criar estilo ou se tornarem um bestseller, resumindo para procurar muitas informações e opiniões sobre essas oficinas e fazer uma boa pesquisa para não ser enganado. 
O processo editorial de um livro também foi abordado, as etapas necessárias para que a história que você criou se torne um livro completo, e os profissionais envolvidos nesse processo: os leitores beta, leitores críticos, preparadores, revisores e editores. 
Depoimentos de autores que já tiveram seus livros publicados também foram postos na roda, qual foram suas experiências, a busca por uma editora, o cuidado para não ser ludibriado nesse processo, a dúvida entre buscar uma editora ou se auto-publicar e o caminho trilhado ao optar por uma dessas opções. 
No fim do papo uma coisa que ficou bem clara é a necessidade de o autor encarar seu livro e sua escrita profissionalmente, sim o livro é um sonho, uma meta, mas não deve ser tratado levianamente, é preciso cuidado, atenção, profissionalismo e menos ilusão. Que o autor corra atrás de seu livro, mas que mantenha os pés no chão, que se informe, pesquise e esteja disposto a se dedicar a este trabalho para não sofrer uma desilusão.  
Adorei o papo e uma nova rodada já está confirmada para o dia 23/3.

Fotos: Milena Cherubim

16 de fevereiro de 2013

Listas Aleatórias: 10 BrOTPs

Ah, o Fandom! O lugar mágico em que fãs se encontram e trocam mais que figurinhas, mas impressões e interpretações pessoais sobre qualquer coisa relacionada ao livro/filme/seriado (e o que mais existir) que seja o seu objeto de fervorosa adoração. Assim como existem os famosos OTPs (One True Pairing - Casal Verdadeiro) ou ships (de "relationship", ou simplesmente aquele casal do coração que torcemos com afinco para que dê certo), existem os BrOTPs.

Segundo o Urban Dictionary, um BrOTP é um conjunto de melhores amigos em um seriado, livro ou filme que estão destinados a serem melhores amigos pra sempre.

Resumindo: o Listas Aleatórias dessa semana é uma seleção de 10 melhores amigos na ficção que são tão queridos que dá vontade de guardar no bolso.


1- Kirk e Spock - Star Trek: A Série Clássica
Falar em melhores amigos e não começar essa lista sem a dupla mais icônica da ficção científica é um pecado. Completamente diferentes, mas complementares mesmo assim.




2- Doctor e Donna - Doctor Who
Donna Noble é, de longe, a minha companion favorita. Simplesmente amo a amizade dela com o Doctor, o como ela sempre sabe dizer o que ele precisa ouvir em todos os momentos. E eles têm as melhores cenas.




3- Legolas e Gimli - O Senhor dos Anéis
Eles tinham TUDO para se odiarem, anos e anos de rixa entre suas raças, mas no final eles se tornam amigos e superam todas as diferenças.




4- Kurt e Rachel - Glee
Ok, muita gente não gosta de Glee, acha um pé-no-saco (até eu, que era fã, ultimamente não tenho mais paciência com o seriado), mas adoro a amizade deles dois. Afinal, só uma diva para compreender outra.





5- Holmes e Watson - Sherlock Holmes
Sherlock Holmes não é o mesmo sem John Watson, pois é ele quem o torna humano, não só um detetive extremamente racional. E gosto de todas as versões/ adaptações da amizade deles. Até mesmo com a Lucy Liu como Watson.





6- Harry, Rony e Hermione - Harry Potter
Não se enfrenta um trasgo montanhês sem que isso não mude algumas coisas.





7- House e Wilson - House M.D.
Ok, eu sei que Holmes e Watson já entraram nessa lista, mas a sua variação médica também merece um posto - porque só uma amizade muito forte mesmo fez o Wilson ser amigo do House por tantos e tantos anos.




8- Sam e Dean - Supernatural
Além de irmãos, são melhores amigos. E já passaram por tanta coisa juntos, que nem céu e inferno são capazes de separá-los. Literalmente.




9- Walter e Astrid - Fringe
Adoro o relacionamento dos dois, a paciência que a Astrid tem com o Walter, mesmo com toda a sua maluquice e excentricidade.


Oi Gene!

10- Cece e Jess - New Girl
Resumindo: "Bitch, I love you".





Menção honrosa: O vídeo abaixo resume tudo:


14 de fevereiro de 2013

O Guia do Mochileiro das Galáxias – Douglas Adams



Livro: O Guia do Mochileiro das Galáxias
Titulo Original: The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy
Autor: Douglas Adams
Editora: Arqueiro
Ano: 2004
Avaliação: 5/5
Sinopse:Arthur Dent tem sua casa e seu planeta (sim, a Terra) destruídos em um mesmo dia, e parte pela galáxia com seu amigo Ford, que acaba de revelar que na verdade nasceu em um pequeno planeta perto de Betelgeuse.
Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect. A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário. Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da "alta cultura" e de diversas instituições atuais.

Comentários:  
Para o tema de fevereiro do Desafio Literário, livros que façam rir, decidi ler "O Guia do Mochileiro das Galáxias" e tenho que dizer que foi o livro mais absurdamente lógico que li em toda a minha vida. 
Mal tenho como comentar sobre a narrativa e a história criada por Douglas Adams que além do que está realmente contando traz tantas mensagens em seu contexto, em suas ironias e em suas explicações absurdas, que na verdade fazem sentido. 
No livro vemos a história de Arthur Dent, uma pessoa que em um dia um tanto quanto tumultuado de sua vida, descobre por seu amigo Ford Prefect que as coisas ainda podem piorar, como por exemplo a Terra pode ser destruída e mais, que Ford Prefect não é um humano mas sim um mochileiro das Galáxias que veio para a Terra para poder pesquisar mais para o livro O Guia do Mochileiro das Galáxias, o livro mais conhecido do Universo e que possui em sua capa a frase “Não entre em pânico”. 
Sei que a descrição do livro parece confusa, mas é essa a intenção de toda a história, em meio a confusão contar vários fatos que podem fazer rir, chegar a uma conclusão ou simplesmente pensar. 
A chave que torna o livro uma das minhas melhores leituras, não foi tanto o enredo ou os personagens, mas sim a narrativa ácida de Adams, que torna a história uma aventura, uma comédia, um momento de reflexão e algo totalmente difícil de definir. 
O livro me ganhou logo nas primeiras páginas em que Adams tenta definir a terra e os humanos de um jeito todo particular.

“Muito além dos confins inexplorados da região mais brega da borda ocidental desta galáxia, há um pequeno sol amarelo e esquecido. Girando em torno deste sol, a uma distancia de cerca de 148 milhões de Km, há um planetinha verde-azulado absolutamente insignificante cujas formas de vida, descendentes de primatas, são tão extraordinariamente primitivos que acham que relógios digitais são uma grande ideia.” p. 10

E com esse estilo de escrita a história transcorre, há muitas questões existenciais e filosóficas passadas de maneira tão simples que é fácil pensar “Por que minhas aulas de filosofia não foram assim ?” e muitas reflexões usando de física (mas não atrapalham a leitura se você for como eu cujo único conhecimento de física restante na memória é a lei da gravidade). 
A premissa da história é muito boa, a Terra é destruída e sobra apenas um sobrevivente que terá que descobrir que além de não ser a única forma viva do universo, que a vida fora do planeta que conhece é extremamente complicada. 
Os personagens não são aprofundados, mas suas peculiaridades são bem exploradas e casam perfeitamente com toda a narrativa. 
Peço desculpas se a resenha parece confusa, mas acho que essa é o melhor resultado após ler este livro é ficar com os pensamentos totalmente fora de ordem. Recomendo muito. 
Ps: para aqueles que leram, ou que vão entender depois de ler – agora ando com uma toalha na bolsa rs. 

“Apenas seis pessoas na Galáxia sabiam que a função do presidente não era exercer poder, e sim desviar a atenção do poder” p. 37


“- Está bem – disse Ford -, mas não entre em pânico!- Quem é que falou em pânico? – gritou Arthur. – Isso é só choque cultural. Espere só até eu conseguir me situar e me orientar. Ai é que vou entrar em pânico!” p. 58 


“... – Que importância tem isso? A ciência conseguiu algumas coisas fantásticas, não vou negar, mas acho mais importante estar feliz do que estar certo” p. 140 


13 de fevereiro de 2013

[Série] Fringe – Segunda Temporada






Título Original: Fringe
Temporada: 2
Ano: 2009/2010
Roteirista: J.J. Abrams
Emissora: Fox
Episódios: 23
Avaliação: 4,5/5





Comentários:
Antes de fazer a resenha quero falar que estou escrevendo após assistir ao último episódio da temporada então ainda estou em momentos de surto, adrenalina e ataques fangirl e mal tenho palavras para descrever tudo o que senti ao assistir a série que já entrou para a minha lista de favoritas. 
A segunda temporada de Fringe tinha uma obrigação, manter o ritmo da história (que tinha mostrado uma grande revelação no final da primeira temporada), lidar com essa revelação, mostrar outros casos “fringe” e por fim não deixar que o nível caísse. Tenho que dizer essas obrigações foram cumpridas muito bem. 
A temporada continua do ponto em que a anterior tinha parado, tratando do gancho deixado e evoluindo na história com novos casos e, principalmente, novas revelações.
Os personagens são mais bem explorados, aprofundando nas personalidades de cada um e isso também adensa o relacionamento entre eles. Alguns dos acabam ganhando mais espaço e os principais ficam cada vez melhores.  (Tenho que admitir que sou uma fã do estilo gênio e louco de Walter, é o personagem que mais me encanta nessa série sem dúvida). Além disso, alguns elementos que aparentemente eram uma pequena parte do mistério que envolve a história tomam outro rumo mostrando que são essenciais, como os Observadores.
Os episódios trazem mais eventos Fringe que vão se ligando ao tema principal, que nessa temporada é o Peter (vou parar por aqui para não dar spoiler), tudo isso explorando mais ainda a ligação entre os universos, que é mais explicada, e conforme os episódios vão passando a tensão vai aumentando até chegar a um ponto em se fica louco para chegar ao fim (fico feliz de ter acompanhado essa temporada pelo DVD e não ter que esperar uma semana para saber o que iria acontecer rs)
O fim da temporada é realmente muito, muito bom, com uma carga emocional grande e com um grande, enorme, gancho para a próxima. Recomendadíssimo!!
Ps: Não sou de escolher episódios favoritos, mas como uma amante de musicais tenho que comentar o episódio 19 (Um Coração Especial) que tem um estilo musical bem diferente do restante da série porém é muito legal, assistam. 




10 de fevereiro de 2013

[Teatro] Musical – A Família Addams



A Família Addams foi um dos últimos musicais que assisti no ano passado, e era o que tinha mais receio principalmente devido às criticas negativas que a peça original norte-americana sofreu, mas para a edição brasileira o roteiro passou por alterações e essas tornaram o texto tão nacional e tão nosso que este musical foi um dos melhores que vi.
A história começa quando Wandinha se descobre apaixonada, porém para o grande desespero de seus pais ela gosta de um garoto “normal” e por isso vai tentar fazer com que a família aceite o rapaz e tente ser um pouco menos assustadora. 
A história parece não ter muito assunto para render, e assumo que quando vi as primeiras notícias sobre o musical achava que ele iria abordar um pouco mais sobre a história dessa família, que é criação do cartunista Charles Addams, porém isso não ocorre e a peça tem seu desenvolvimento sobre o envolvimento de Wandinha com seu namorado e sua família, mas com muitos toques de humor e situações inusitadas fazendo com que as quase três horas de espetáculo mal sejam percebidas. 
A cenografia foi um dos elementos que mais me encantou o cenário e os detalhes estavam perfeitos, a produção teve o cuidado de não deixar de fora quase nenhum elemento que caracteriza o desenho original, como a mãozinha e o primo Itch. 
As musicas foram muito bem construídas e montadas, as letras estavam perfeitas com as situações e foi neste ponto em que mais se pode sentir as adaptações que tinha mencionado anteriormente, como em um momento em que a Vovó está conversando com o Feioso e faz referência a música “ai se eu te pego” ou em outra cena em que é dançado o Gangnam Style. 
Os atores merecem uma observação especial, apesar de a Marisa Orth não estar presente quando fui assistir, o papel de Morticia foi muito bem interpretado por sua substituta (juro que procurei o nome, mas não achei) e os outros atores ficaram muito bem no papel mas quero destacar o Claudio Galvan e o Rogério Guedes que deram a vida a Fester e Tropeço, respectivamente, trazendo as características tão marcantes desses personagens e claro que não poderia deixar de mencionar o ator Daniel Boaventura que interpretou Gomes e foi brilhante. 
Um musical divertido e muito bem produzido. 

9 de fevereiro de 2013

[Filme] As Aventuras de Pi





Título original: Life of Pi
Duração: 127 min.
Direção: Ang Lee
Roteiro:  David Magee, Yann Martel
Distribuidora:  Fox Filmes
Ano: 2012
Avaliação:  4/5






Comentários:  
Posso dizer que As Aventuras de Pi foi um filme que me surpreendeu positivamente falando. 
Assumo que quando escolhi ver esse filme foi apenas pelos efeitos visuais e pela fotografia, não esperava muito da história e, para a minha total felicidade, estava muito errada. 
O filme vai muito além do naufrágio (que é o que mais se destaca nos trailers) vai contar sobre a vida de Pi, quem ele é, o que procura, qual é a sua relação com a vida e com sua família, assim o filme estrutura todo o personagem não ligando a história apenas a um acontecimento mas sim como o personagem irá lidar com tudo ao seu redor. 
Pi é filho de indianos, que desde pequeno tenta se encontrar buscando várias religiões. Sua família possui um zoológico e ele mantém um relacionamento próximo com os bichos. Porém após uma crise financeira seu pai decide que é melhor fechar o zoológico e vender alguns dos animais no Canadá, mas durante a viagem ocorre um naufrágio e Pi terá que lidar com todas as situações (e são muitas e totalmente fora dos padrões) e sobreviver em alto-mar. 
Os efeitos visuais desse filme são simplesmente lindos, a fotografia e os efeitos, tudo é simplesmente perfeito e muito realista, não parecem montados ou aquela sensação de estar assistindo a uma cena de videogame. 
A história, a principio, parece ser simples mas a complexidade se mostra a cada instante tanto pelos dramas físicos como psicológicos e como as pessoas se conhecem ao mesmo tempo que mudam em situações extremas. 
O final merece uma resalva de ser totalmente chocante e fechar essa história com chave de ouro.  E não poderia deixar de falar sobre a mensagem do filme, presente em vários momentos e em vários detalhes, simplesmente é linda e reflexiva, tratando sobre a fé acima de tudo, acima de crença e religiões, simplesmente ter forças para acreditar. 
Recomendo. 



6 de fevereiro de 2013

No Fundo do Amor – Tera Lynn Childs



Livro:  No Fundo do Amor
Titulo Original: Forgive my fins
Autor: Tera Lynn Childs
Editora: Editora Id
Ano: 2011
Avaliação: 2,5/5
Sinopse:
Lily Sanderson é metade humana, metade sereia... Ah, e não uma sereia qualquer: é uma princesa de Thalassínia que resolveu tomar novos ares e viver em terra firme. Enquanto dribla seu vizinho chato, Lily tenta chamar a atenção do perfeito Brody Bennet. Ela apenas espera que seus planos não naufraguem...




Comentários:
Após ler vários comentários positivos sobre esse livro e de ver frases como “esse é um dos melhores livros sobre sereias” fiquei interessa, após ler a sinopse, que por sinal não conta muito, decide dar uma chance para a história e ter minha primeira leitura com o tema de sereias e no final tenho que dizer que me senti...iludida. 
Quando vi todas as indicações desse livro imaginei uma leitura que além de um romance (que faz parte da maioria dos livros jovens-adultos) também trabalhasse como a mitologia das sereias, se aprofundando nessas questões pouco exploradas na literatura atual e com isso gerar uma densidade na história, mas o que aconteceu foi justamento o oposto. 
A história é bem juvenil (chegando a beirar o imaturo) toda a trama se passa em volta de Lily, uma garota de 17 anos que possui uma paixão pelo líder da equipe de natação, Brody, e também um relacionamento complicado com seu vizinho Quince, que parece sentir uma satisfação enorme em perturbá-la, isso tudo regado às inseguranças normais de uma adolescente, mas com um pequeno detalhe: ela é uma sereia, e para complicar, além de ser um ser lendário ela ainda é a princesa de um reino marítimo secreto. 
O que me incomodou foi justamento o que destaquei na sinopse, o fato de ela ser uma sereia é apenas um detalhe em toda a história, que poderia muito bem passar como um juvenil contemporâneo se não fosse por isso. A narrativa toda se baseia nas dúvidas e anseios de Lily em relação ao seu amor e suas inseguranças, e mesmo assim toda essa confusão é bem superficial, os personagens não possuem um aprofundamento e, sem contar a protagonista, não são explorados pela autora. Uma narrativa para quem está iniciando o hábito de leitura agora ou que não busca histórias muito profundas, mas não é um livro que eu recomende. 

Livros da série:

1. No Fundo do Amor
2. Eternas Escamas
3. Just for Fins (ainda sem previsão)

4 de fevereiro de 2013

Listas Aleatórias: 8 motivos para ver Os Miseráveis




1- O trailer já é de seduzir. A primeira vez que vi, derramei várias lagrimazinhas. Se o trailer já provoca esse efeito, imagina o filme?



2- Se você é fã de musicais, esse filme é um must see. Tem toda a grandiosidade da Broadway e desejei, em vários momentos, estar realmente no teatro para ovacionar determinadas cenas.

3- E é dramático, então se você curte uma boa cena dramática, regada a solos sentidos, em que o personagem coloca sua alma em cada nota, vale a pena.

4- As interpretações são fantásticas, mas o destaque vai para Fantine (Anne Hathway) e Jean Valjean (Hugh Jackman), que colocam tanta emoção em cada cena - principalmente Fantine, que apareceu tão pouco, mas foi o bastante para ser a minha interpretação favorita.

5- Apesar dos (muitos) momentos dramáticos, tem algumas cenas que conseguem arrancar uma ou outra risada, e isso fica por conta, principalmente, das cenas com o casal Thénardier (Sacha Baron Cohen e Helena Boham-Carter), como os dois picaretas da história.

6- A parte histórica também não deixa a desejar. Mostrando o quanto o povo estava insatisfeito com a monarquia, em busca de ideais de igualdade entre as classes, a Revolução de 1832 foi sangrenta. E mostrar os estudantes e seus ideais, os sonhos de uma França mais justa, é uma das partes mais emocionantes do filme. Passei o resto do dia cantarolando "Do you hear the people sing?".

7- É um excelente motivo para dar chance à literatura clássica e se aventurar a ler as obras de Victor Hugo, autor de Os Miseráveis. Pelo pouco que li dele, com certeza vale a pena.

8- A história é, acima de tudo, uma história sobre esperança. Seja ao mostrar Jean Valjean, que tinha tudo para se desgraçar (mais ainda), mas que teve uma oportunidade e aproveitou-a, mudando a vida de tantos personagens com quem entrou em contato, seja ao mostrar os estudantes revolucionários, que buscavam melhorar a sua nação. Tudo isso concentrado no casal Marius e Cosette, representando esta esperança a ser sempre buscada e ansiada.

1 de fevereiro de 2013

[Desafio] Oscar de Melhor Filme



Sempre gostei de desafios e listas, e ao ver no blog Filmes, Livros & Séries da Vivi o desafio que ela tinha aceitado, que foi criado pela Michelle do blog Resumo da Ópera resolvi me aventurar também. 
O desafio consiste em assistir a todos os filmes que já ganharam uma estatueta no Oscar, mas como sei que essa é uma proposta muito ambiciosa para mim decidi fazer uma adaptação e me propor a assistir apenas a todos os filmes que foram premiados como Melhor Filme, o que já são muitos (84 até agora) e ainda considerando que a lista vai aumentando por ano e por esse motivo também não vou me estipular um prazo para cumprir essa proposta, conforme for assistindo aos filmes vou atualizando esse post. Aqui vai a lista dos premiados: 

2014 12 ano de escravidão (12 Years a Slave)
2013 Argo (Argo) (resenha)
2012 O Artista (The Artist)
2011 O Discurso do Rei  (The King’s Speech)
2010 Guerra ao terror  (The Hurt Locker)
2009 Quem quer ser um milionário? (Slumdog Millionaire)
2008 Onde os fracos não tem vez (No Country For Old Men)
2007 Os infiltrados (The Departed)
2006 Crash – no limite (Crash)
2005 Menina de ouro (Million Dollar Baby)
2004 O Senhor dos Anéis: o retorno do rei (The Lord of the Rings: The Return of the King)
2003 Chicago (Chicago)
2002 Uma mente brilhante (A Beautiful Mind)
2001 Gladiador (Gladiator)
2000 Beleza americana (American Beauty)
1999 Shakespeare apaixonado (Shakespeare in Love)
1998 Titanic (Titanic)
1997 O paciente inglês (The English Patient)
1996 Coração valente (Braveheart)
1995 Forrest Gump (Forrest Gump)
1994 A lista de Schindler (Schindler’s List)
1993 Os imperdoáveis (Unforgiven)
1992 O silêncio do inocentes (The Silence of the Lambs)
1991 Dança com lobos (Dances with Wolves)
1990 Conduzindo Miss Daisy (Driving Miss Daisy)
1989 Rain Man (Rain Man)
1988 O último imperador (The Last Emperor)
1987 Platoon (Platoon)
1986 Entre dois amores (Out of Africa)
1985 Amadeus (Amadeus)
1984 Laços de ternura Terms of Endearment)
1983 Gandhi (Gandhi)
1982 Carruagens de fogo (Chariots of Fire)
1981 Gente como a gente (Ordinary People)
1980 Kramer vs. Kramer (Kramer vs. Kramer)
1979 O franco-atirador (The Deer Hunter)
1978 Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall)
1977 Rocky, um lutador (Rocky)
1976 Um estranho no ninho (One Flew Over the Cuckoo's Nest)
1975 O poderoso chefão II (The Godfather II)
1974 Golpe de mestre (The Sting)
1973 O poderoso chefão (The Godfather)
1972 Operação França (The French Connection)
1971 Patton — rebelde ou herói? (Patton)
1970 Perdidos na noite (Midnight Cowboy)
1969 Oliver! (Oliver!)
1968 No calor da noite (In the Heat of the Night)
1967 O homem que não vendeu sua alma (A Man for All Seasons)
1966 A noviça rebelde (The Sound of Music)
1965 My Fair Lady (My Fair Lady)
1964 Tom Jones (Tom Jones)
1963 Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia)
1962 Amor sublime amor (West Side Story)
1961 Se meu apartamento falasse (The Apartment)
1960 Ben Hur (Ben-Hur)
1959 Gigi (Gigi)
1958 A ponte do Rio Kwai (The Bridge on the River Kwai)
1957 A volta ao mundo em 80 dias (Around the World in Eighty Days)
1956 Marty (Marty)
1955 Sindicato de ladrões (On the Waterfront)
1954 A um passo da eternidade (From Here to Eternity)
1953 O maior espetáculo da Terra (The Greatest Show on Earth)
1952 Sinfonia de Paris (An American in Paris)
1951 A malvada (All About Eve)
1950 A grande ilusão (All the King’s Men)
1949 Hamlet (Hamlet)
1948 A luz é para todos (Gentlemen’s Agreement)
1947 Os melhores anos de nossas vidas (The Best Years of Our Lives)
1946 Farrapo humano (The Lost Weekend)
1945 O bom pastor (Going My Way)
1944 Casablanca (Casablanca)
1943 A rosa da esperança (Mrs. Miniver)
1942 Como era verde o meu vale (How Green Was My Valley)
1941 Rebecca - A mulher inesquecível (Rebecca)
1940 ... E o vento levou (Gone With the Wind)
1939 Do mundo nada se leva (You Can't Take It with You)
1938 Émile Zola (The Life of Émile Zola)
1937 O grande Ziegfeld (The Great Ziegfeld)
1936 O grande motim (Mutiny on the Bounty)
1935 Aconteceu naquela noite (It Happened one Night)
1934 Cavalgada (Cavalcade)
1933 Grande Hotel (Grand Hotel)
1932 Cimarron (Cimarron)
1931 Sem novidades no front (All Quiet on the Western Front)
1930 Melodia na Broadway (The Broadway Melody)
1929 Asas (Asas)

Veja o post da Vivi aqui

Veja o post da Michelle aqui