18 de setembro de 2015

[Filme] O Clube dos Cinco


Sinopse: 
Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos. (Fonte: Adorocinema)

Comentários:
Sabe aquele filme antigo que você lembra de ter visto, de ter gostado muito, mas não consegue lembrar exatamente o porquê, esse foi o meu caso com o Clube dos Cinco, tinha uma vaga lembrança desse filme e decidi revê-lo e fui tocada por várias questões, e é sobre elas que quero escrever hoje. 

Dessa vez não vou fazer bem uma resenha, seria mais um desabafo sobre as reflexões que fiz depois de assisti-lo. 


O filme tem um contexto bem simples, vai contar sobre cinco jovens que tiveram que ficar na biblioteca da escola em um sábado como castigo, cada um não poderia ser mais diferente do outro, mas nessas horas eles terão que conviver com essas diferenças e como elas os podem afetar. 

Logo no inicio os adolesces serão categorizados: um cérebro, uma princesa, um atleta, um criminoso e uma caso perdido. E com essas categorias eles vão se definir e se desconstruir, explorando a adolescência e a formação da personalidade. 

E agora quero tratar da questão que realmente me tocou, tenha em mente que o filme foi produzido em 1985, 30 anos atrás, e tirando o figurino e a falta de tecnologia o filme ainda se mostra tão atual, os dramas, as categorias, a personalidade desses adolescentes ainda podem ser vistas nos dias de hoje, o que me fez pensar como em alguns aspectos não mudamos muito, munimos nossos jovens com celulares, computadores, internet, mas não demos certezas a eles, e com isso as mesmas dúvidas e posicionamentos se mantém até hoje. 


Com esse filme mergulhamos além daquela superfície que cada um têm, entendemos o vazio da princesinha, a falta de objetivo do atleta, a pressão do nerd, a dor do encrenqueiro e a falta de rumo da sem futuro, mergulhamos nesses jovens mesmo que eles não façam raciocínios complexos, vemos através da fachada pois eles mostram quem realmente são por alguns períodos. 

Olhei as questões desses adolescentes e enxerguei as minhas de quando tinha essa idade, e vi também essas mesmas dúvidas nos adolescentes que conheço hoje, resumindo, o filme se tornou atemporal, pois não foi apenas mais um filme de colegial, mas um filme sobre a adolescência. 

Não sei se esse post se encaixaria mais em comentários sobre filmes ou em um desabafo do DDI, mas posso dizer que apesar de uma produção que já tem 30 anos ela vale a pena ser vista.


Título original: The Breakfast Club

Duração: 97 min.
Direção: John Hughes
Roteiro: John Hughes
Elenco: Emilio Estevez, Anthony Michael Hall, Paul Gleason, Judd Nelson, Molly Ringwald, John Hughes, Ally Sheedy
Distribuidora: Universal Pictures do Brasil
Ano: 1985
Avaliação: 5/5

4 comentários:

  1. Oi, Dani!
    Eu adoro esse filme! É um verdadeiro clássico!!
    Achei suas reflexões sobre a história ainda mais bacanas!
    beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Camis, nem fala, também amo esse filme, e ele sempre me faz parar pra pensar Camis :) bjsss

      Excluir