11 de fevereiro de 2015

[Maratona Oscar 2015] Selma - Uma Luta pela Igualdade



Sinopse: 
Cinebiografia do pastor protestante e ativista social Martin Luther King, Jr (David Oyelowo), que acompanha as históricas marchas realizadas por ele e manifestantes pacifistas em 1965, entre a cidade de Selma, no interior do Alabama, até a capital do estado, Montgomery, em busca de direitos eleitorais iguais para a comunidade afro-americana. (Fonte: Adorocinema)

Comentários:
Dando continuidade a Maratona Oscar fui ao cinema assistir Selma, um filme intenso e tocante, que vai contar uma parte da história de Martin Luther King Jr. na luta contra a segregação na questão do direito ao voto dos negros na cidade de Selma.




Quando vi o trailer há muito tempo tive a impressão que seria uma biografia de toda a história sobre a luta contra o preconceito e a segregação e fiquei surpresa logo no início quando mostra Martin Luther King recebendo o prêmio Nobel logo depois do discurso I have a dream. 


O foco é na luta pelo direito ao voto na cidade de Selma, no sul dos Estados Unidos, vemos os embates de King com o presidente Lyndon B. Johnson e com o governo do Alabama, seus discursos, a interferência e influência da mídia e um diferencial que não tinha visto antes, um pouco também sobre a vida pessoal de King, em especial o relacionamento com usa esposa Coretta. 

O filme para mim teve um toque todo especial devido a leitura do livro Eternidade por um fio, do Ken Follett, e isso se deu porque o autor usou amplamente a história de Martin Luther King em sua trama, com isso tive a sensação de reconhecimento em vários eventos do filme, como o ataque a igreja que matou garotas negras, a intolerância da política do Sul em relação a igualdade racial e a relutância de Johnson em fazer algo, foi quase como ver uma “adaptação”  de alguns trechos do livro, já que este é baseado em fatos reais. 

Mas voltando a falar do filme a produção não foi grandiosa, tomadas e cenários simples, mas perfeitos para destacar as emoções em cenas que davam destaques a pessoas, rostos e situações. Há momentos de muito impacto como os protestos não violentos em que os negros se ajoelhavam com as mãos na cabeça para mostrar que não iriam revidar, as discriminações na hora de tentar votar e claro a cena de mais impacto, a do protesto na ponte. Várias cenas me deixaram tensa e realmente fiquei tocada na parte dos discursos.

As interpretações me agradaram muito, David Oyelowo como King ficou perfeito, podíamos sentir tanto a convicção nos momentos de discurso e protesto como as dúvidas do Martin  a cada vez que ele fraquejava. Aqui só faço uma observação ao papel de Oprah Winfrey, que apesar de não ser tão importante sempre aparecia em algumas cenas sem realmente ser necessário. 

O filme trata e mostra muitas questões já conhecidas e trabalhadas antes, mas por se focar em apenas um evento ele conseguiu humanizar e explorar mais tantos aspectos sobre a segregação, as negociações com o presidente, os jogos políticos, as desavenças entre os próprios grupos que tratavam dos direitos dos negros e, com grande destaque, a importância da mídia, do drama, de um evento midiático em conseguir mudar as coisas, em fazer com que os olhos de todos se voltassem para aquela situação. 







Título original: Selma
Duração: 127 min.
Direção: Ava DuVernay
Elenco: David Oyelowo, Tom Wilkinson, Tim Roth, Carmen Ejogo, Common, Giovanni Ribisi, Cuba Gooding Jr., Oprah Winfrey
Distribuidora: Walt Disney
Ano: 2015
Avaliação: 4,5/5

2 comentários:

  1. Acho interessante quando os produtores fazem um filme "mais simples" para retratar uma história real, acaba dando um ar ainda mais realista a tudo que acontece.

    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
  2. Oi Paty, também acho melhor as produções mais simples, acho que jogos de câmeras complexos ou efeitos especiais tira um pouco da verossimilhança do filme, e Selma está perfeito :)

    ResponderExcluir